É guerra! Operadoras de TV paga e banda larga declaram guerra à Netflix



Depois de perderem quase um milhão de assinantes desde 2014, as operadoras de TV paga e banda larga decidiram tomar uma atitude drástica contra a Netflix, plataforma que consideram responsável pela fuga de clientes.

De acordo com o colunista Ricardo Feltrin, do portal UOL, um megalobby é orquestrado em Brasília para atrapalhar o crescimento da companhia.

Entre as solicitações, as empresas pedem que a Ancine (Agência Nacional de Cinema) exija o pagamento da Condecine, uma taxa em torno de R$ 3.000 por cada filme disponível no catálogo da Netflix; que o governo obrigue a plataforma a ter pelo menos 20% de produção nacional em seu inventário; que os estados cobrem ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) das assinaturas e uma taxa extra quando os assinantes de banda larga utilizarem o serviço, com a justificativa de que o consumo é alto.

Entre os pedidos, o aumento da produção nacional esbarra no fato de o Grupo Globo (são mais de 35 na TV paga) não realizar parcerias com concorrentes, movimento endossado pela Band – Record, SBT e RedeTV! deixam a desejar nessa seara -, o que afetaria a quantidade de arquivos de maneira geral, pois para se adequar, uma redução seria necessária.

Cabe ressaltar que enquanto as operadoras oferecem pacotes que variam entre R$ 70 e R$ 300, com uma média nacional por assinante de R$ 166, a Netflix tem mensalidades com valores entre R$ 19,90 e R$ 29,90 (qualidade HD).

Não se sabe a audiência ou consumo da Netflix no Brasil ou em outros países porque a empresa não disponibiliza seus dados para empresas como a Kantar Ibope.

Se as operadoras tiverem sucesso em fazer a empresa pagar as taxas de Condecine, no entanto, o acervo da Netflix no país deixará de ser oculto

No Brasil, é estimado que só em 2015 a plataforma tenha faturado algo em torno de R$ 1,1 bilhão, com aproximadamente 4 milhões de assinantes. Na bolsa de valores dos Estados Unidos, as ações da companhia chegaram a valorizar 140% no ano passado.

Nenhum comentário:

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Tecnologia do Blogger.