Penúltimo episódio de ‘Pra Onde Corre o Rio’ mostra o processo de extinção dos animais da Baixada de Jacarepaguá


Pra onde corre o Rio. (Divulgação)
Nesta Sexta da Sociedade, 7, vai ao ar “Sobre homens e jacarés – A luta pelas águas na Baixada de Jacarepaguá”, penúltimo episódio da série “Pra Onde Corre o Rio” no CURTA!, que revela como o esgoto ameaça a Baixada de Jacarepaguá (conjunto de lagoas e canais de três bairros da Zona Oeste do Rio: Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes e Jacarepaguá). Os danos começam pelos bichos que dão nome à região: os jacarés. Ricardo Pereira, que trabalha no complexo lagunar da área desde 2003, lembra que Jacarepaguá, na língua indígena, significa ‘Vale dos Jacarés’. O local, que deveria ser um habitat natural da espécie, sofre com o despejo contínuo de esgoto sem tratamento e tem visto um processo gradual de extinção desses animais nos lagos, rios e canais, que têm taxa de oxigênio zero.  “Eles sumiram. Desapareceram. Porque são espécies extremamente sensíveis a essa toxicidade, a esse esgoto jogado, despejado, nessas lagoas”, critica. As capivaras também sofrem com a degradação e tem resistido cada vez menos.

Raphael Silva e Antônio Melo são moradores ativistas que mobilizam a sociedade e o poder público para reverter o caos ambiental da Zona Oeste do Rio. Na luta contra a degradação, eles fundaram o Movimento de Despoluição do Canal das Taxas, no Recreio, e encontram nos mosquitos uma forma de denúncia do problema. “O mosquito é nosso aliado porque ele mostra o problema do esgoto, ele gera uma consequência. Uma dessas consequências é a proliferação descontrolada de gigogas e a consequente infestação de mosquitos”, avalia Raphael.

“Pra Onde Corre o Rio” tem oito episódios – inéditos sempre às sextas, às 20h – nos quais são desvendados os grandes problemas que, há décadas, afetam a natureza do Rio de Janeiro, como a poluição da Baía de Guanabara, dos rios e lagoas; a ocupação irregular de áreas preservadas; a falta de conservação nas áreas de mata; a falta de saneamento básico e as ações de impacto das indústrias poluentes.

Nenhum comentário:

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Tecnologia do Blogger.