Header Ads

Operação da Polícia Civil desarticula esquema de "gato" de TV paga em São Paulo


 Operação da Polícia Civil desarticula esquema de "gato" de TV paga em São Paulo. (Imagem/Divulgação)
A Polícia Civil de São Paulo prendeu nesta terça-feira, 22/03, uma quadrilha que fornecia clandestinamente pacotes de TV paga para mais de 5 mil pessoas no estado de São Paulo. De acordo com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), eram oferecidos, abaixo do custo, pacotes das operadoras Claro TV, Net, e Sky nas cidades de Jaú e São Carlos, principalmente. Os criminosos atuavam também na capital paulista e na Baixada Santista.

Cinco pessoas foram presas em flagrante na operação, denominada Card Sharing. Elas são acusadas de participação em organização criminosa e estelionato. Segundo o Deic, a polícia iniciou a investigação após receber denúncia de uma das concessionárias sobre desvio de equipamentos e acesso indevido ao sistema.

A quadrilha tinha equipamentos de alta capacidade para distribuir o sinal para os clientes da organização criminosa. “Eles tinham uma estrutura organizacional tão bem trabalhada que tinham uma área técnica para fazer o suporte, uma área para venda, site na internet, davam suporte técnico”, disse o delegado José Mariano de Araújo Filho, responsável pela operação.

“Muitos equipamentos são frutos de desvios, extravios de dentro dos estoques das operadoras. Equipamentos furtados e até roubados, mas eles também usavam equipamentos que são produzidos basicamente na China, não são homologados para utilização no Brasil e portanto eles são proibidos de serem usados para receber sinal de televisão por assinatura no Brasil”, explica.

Servidor do gato. (Imagem/Divulgação)
As investigações começaram há seis meses e segundo o delegado a central do crime funcionava em uma casa no bairro Santo Antônio em Jaú (SP), mas a quadrilha atuava em São Carlos e São Paulo. Oito mandados de busca e apreensão foram realizados. Cinco pessoas foram presas e levadas para o Deic em São Paulo.

De acordo com a investigação, o pacote com todos os canais abertos saía por apenas R$ 45 por mês, valor cerca de seis vezes menor do que o cobrado pelas empresas que atuam legalmente no mercado. Ao fechar o negócio, os clientes também pagavam R$ 400 por um aparelho chamado decoder. É nele que deveria ficar o cartão que autoriza o sinal, mas nesse esquema, o cartão era levado para casa onde funcionava a central da organização criminosa, onde ele era conectado a um servidor que compartilhava o sinal. Para cada cartão, podiam ser conectados até 100 clientes diferentes.

Além de vender clandestinamente o sinal das operadoras, a quadrilha comercializava receptores desviados das concessionárias e equipamentos de venda proibida no Brasil. De acordo com a polícia, a partir de agora, o foco das investigações será apurar a participação no esquema de empregados que prestam serviços terceirizados às concessionárias.

es oficiais de todas as operadoras eram utilizadas para compartilhamento das chaves criptográficas dos clientes deles. Então em casa cartão oficial que eles utilizavam, eles conseguiam pendurar pelo menos cem pessoas recebendo essa criptografia para abrir os receptores e ter acesso a programação normal”, explica o delegado.

Pelo menos dois mil clientes estavam recebendo o sinal no momento em que a operação foi realizada, mas a polícia acredita que a quadrilha já tinha mais de 6 mil clientes em Jaú, São Carlos e São Paulo. A operação foi desenvolvida por policiais da 4ª Delegacia de Investigações sobre Delitos Cometidos por Meios Eletrônicos (DIG).

Em nota a Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (Abta) informou que contribui regularmente com as autoridades públicas com subsídios técnicos para o combate à pirataria.

Dados da ABTA, divulgados em 2015, davam conta que existiam aproximadamente 4,1 milhões de assinaturas clandestinas no país. Em 2016,a entidade, que representa o setor de TV paga, decidiu não divulgar números de pirataria sob a justificativa que a crise econômica afetou o mercado e incentiva a clandestinidade.

Assista aos Vídeos:


Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.