Header Ads

Breaking News

Grupo Simba enfrenta dificuldades na criação de novos canais para TV paga

Grupo Simba enfrenta dificuldades na criação de novos canais para TV paga. (Imagem/Divulgação)
O grupo Simba tem planos de criar de 3 a 4 novos canais destinados ao mercado de TV paga. Mas, até o momento este "Plano", não foi apresentado as operadoras de TV paga, como informa o jornalista da UOL, Ricardo Feltrin. 

Quase 3 meses do corte dos canais abertos Record, SBT e Rede TV nas maiores operadoras de TV paga ( NET, Claro hdtv, Oi TV e SKY), que ainda não chegaram a um acordo entre as partes envolvidas. Porém, o grupo encontra-se em dificuldades na crianção dos novos canais.

Isso por que as operadoras exigiram a criação de novos canais destinadas ao mercado de TV paga. Até chegamos a noticiar por aqui sobre os possíveis novos canais, que iriam compor o portfólio do grupo Simba.

As operadoras não aceitam de jeito nenhum pagar por algo que foi gratuito. Mas, não descartam remunerem os novos canais que veriam a ser criados pelo grupo. E cogitou-se, até a criação de um canal com exibição 24 horas de reprises e séries como "Chaves" .

Por enquanto tudo não passou de um plano e, mesmo assim, fontes ouvidas garantem que esses três “exemplos” de canais não despertariam nenhum interesse das operadoras.

Ainda de acordo com jornalista, O grande problema para a criação de novos canais é a questão que envolvem direitos autoriais. Isso por que, para exibição de conteúdos antigos que eram exibidos nos anos 80 e 90, por exemplo, a Record e SBT dependeriam da autorização  de cada um dos apresentadores ou de seus familiares, em caso de morte.

Os contratos assinados naquela época não previam que os conteúdos seriam distribuídos por outras plataformas (TV paga ou Internet, por exemplo), que existem hoje em dia.  No caso de aprovação, o Simba teriam que pagar o famoso "Direitos Autorais", para cada apresentador ou artista daquela época ou familiares.

Até a Globosat, com o Canal Viva, vem tendo problemas nesse sentido. Acontece pois os contratos televisivos naquelas circunstâncias não previam a exibição das atrações em outras mídias, que mal existiam na época. Entra no exemplo a TV paga junto com o streaming.

Uma das primeiras artistas da Globo a assinar um contrato de amplo espectro e já prevendo exibição em novas plataformas foi Angélica, por volta de 1997.


Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.