Header Ads



Miguel Falabella é o autor homenageado do 'Donos da História' deste domingo no Canal Viva


Miguel Falabella é o próximo convidado do "Donos da História". (Imagem/Divulgação)
Ator, diretor, apresentador, autor, roteirista, escritor, produtor. Se tem uma coisa que Miguel Falabella não abre mão é de trabalho. Às vezes, faz tudo em uma mesma produção. O convidado do programa "Donos da História" que o VIVA exibe neste domingo, dia 25 de junho, às 18h, traça uma retrospectiva da vida e da carreira. 

A edição reserva surpresas a Falabella, com os depoimentos de companheiras de longa data: Laura Cardoso, Arlete Salles e Claudia Jimenez. "Grandes encontros! Acho que carreiras são feitas de encontros memoráveis", diz o homenageado. Falabella se emociona ainda mais ao ver trecho da entrevista da saudosa Marília Pêra ao programa "Damas da TV", gravado em 2013, também exibido pelo VIVA: "Escrever para ela foi um prazer, uma honra. Em "Pé na Cova" – último trabalho da atriz -, começava uma cena e eu me perguntava 'fui eu que escrevi isso?', tamanho o frescor e a originalidade com que ela dizia. E ela não mudava uma vírgula! Ela era uma mulher muito impressionante. Tive grandes momentos com ela". 

Um dos marcos de sua trajetória profissional é o "Vídeo Show", programa que apresentou durante 15 anos. A estreia do ator Falabella foi em 1982, na novela "Sol de Verão".  De lá pra cá, acumula mais de 30 trabalhos na televisão. Mas foi em 1986, como Miro, na segunda versão de "Selva de Pedra", que ele ganhou maior destaque com o público. Também é impossível falar de Miguel e não se lembrar de Caco Antibes em "Sai de Baixo", um dos personagens mais icônicos de sua vida profissional como ator. Do outro lado da câmera, como diretor, a primeira experiência foi em "Sassaricando" (1987).

Já "Salsa e Merengue", em 1996, representou a estreia de Miguel como autor de novelas, ao lado de Maria Carmem Barbosa. Depois, vieram os folhetins "A Lua Me Disse" (2005), "Negócio da China" (2008) e "Aquele Beijo" (2011), e o humorístico "Toma Lá, Dá Cá" (2007). Mas a veia humorística de Miguel é antiga: colaborou com textos para dois clássicos dos anos 1980: "Armação Ilimitada" (1985) e "TV Pirata" (1988). "Não trabalho com muita gente. Particularmente, acho que a novela acaba ficando descaracterizada, por mais que exista um redator final. Mas, sozinho, também fica bastante penoso!", explica Falabella.

Recentemente, escreveu "Sexo e as Negas" (2014). "Uma pena ter sido mal compreendido. Recebeu um massacre histérico muito antes de ser visto. Não entenderam a brincadeira do título. Espero que futuramente seja visto de outra forma", desabafa. A série "Brasil a Bordo", escrita e protagonizada por Falabella, já está disponível no Globo Play e, na TV, irá ao ar no ano que vem. Ele conta sobre a idealização do projeto: "Um dia, estava deitado e pensei 'não consigo mais viver nesse país, ele enlouqueceu!'. Tive um surto, eu que enlouqueci. Foi um dia muito estressante e pensei 'vivo num país de loucos, que só se entende no delírio'".

Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.