Header Ads

Últimas Notícias

Antonio Calmon é o convidado do "Donos da história" deste domingo no Canal Viva


 Antonio Calmon é o convidado da semana. (Imagem/Divulgação)
No episódio de "Donos da História" deste domingo, dia 9 de julho, às 18h30 no Canal Viva, Antonio Calmon repassa sua vida e carreira. O autor fala sobre como surgiram alguns dos programas que se tornaram ícones da televisão brasileira, como a novela Vamp e a série Armação Ilimitada.

Calmon se mudou ainda na infância para o Rio de Janeiro. Quando tinha 10 anos, os planos da família era que ele fosse padre. Depois, diplomata. Na sequência, aceitaram com dificuldade que fosse sociólogo. "Minha família só se conformou quando entrei para a Globo. Foi quando também perdi 80% dos meus amigos cineastas intelectuais. Com pornochanchada eles já torceram o nariz. Hoje em dia, não. Mas para a minha família, a Globo me deu respeitabilidade", recorda.

Sua carreira começou no cinema, como assistente de direção de profissionais como Cacá Diegues e Glauber Rocha. Seja exercendo o papel de diretor ou roteirista, Calmon reúne em sua filmografia produções como "Eu Matei Lúcio Flávio" (1979), "Menino do Rio" (1982), "Garota Dourada" (1984) e "O Quatrilho" (1995).

Ingressou na Globo em 1985, para ser um dos roteiristas de "Armação Ilimitada", a convite de Daniel Filho. "O André de Biase e o Kadu Moliterno queriam fazer um programa de esportes radicais. Tentaram por dois anos e não saiu. O Daniel resolveu fazer um programa meio "Saturday Night Live", o "Armação Ilimitada", que virou um enorme sucesso. Era para ser um programa infanto-juvenil, mas virou uma coqueluche nacional. Acho que poderia ter continuado mais, mas acabou na hora certa porque todo mundo já estava cansado de fazer", relembra Calmon, que neste mesmo ano colaborou com o seriado "Tarcísio & Glória".

Seu trabalho como novelista começou em 1989, com a emblemática "Top Model". Calmon comenta que, de repente, ficou sem ter o que fazer na TV Globo e Daniel o colocou em novelas. Foi então que o diretor foi trabalhar ao lado do já consagrado autor de teledramaturgia Walther Negrão e acabaram fazendo "Top Model".

Durante o bate-papo, o autor conta ainda que a ideia de se fazer a novela "Vamp" surgiu de uma simbiose de várias coisas. "Primeiro, vi o filme "Festa dos Vampiros" e fiquei com ele na minha cabeça. Comecei a pensar numa novela de vampiros, uma comédia. Lembro que estava indo com Daniel Filho para Los Angeles. Quando o avião levantou voo o Daniel estava meio apavorado e aprovou que eu fizesse uma novela de vampiros. Disse então para eu ir escrevendo e mostrar. Ficamos algumas semanas em Los Angeles e comecei a anotar. Claro que não podia ser uma novela de vampiros, tinha que ser com trama que levasse a casais e relações de amor, entre pessoas normais", relembra.

De acordo com o novelista, o trabalho revela o que a pessoa é. "Não adianta você querer se fingir que é politicamente correto ou incorreto. Se sou politicamente correto meu trabalho vai revelar isso. Se sou um mau caráter, ele vai revelar isso. Você se revela no que você faz. Tive uma determinada formação, pode-se dizer que passei por um monte de experiências. Você tem que ser fiel a você mesmo. Só isso", finaliza.


Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.