Home Top Ad

Com uma leve redução em março, TV paga perde mais de 1 milhão de assinantes em 12 meses

Share:

TV paga perde mais de 1 milhões de assinantes em 12 meses. (Imagem: Reprodução)
De acordo com dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nesta quinta-feira, dia 26 de abril, o Brasil registrou 17.851.565 contratos de TV por assinatura no mês de março de 2018. Nos últimos 12 meses, a redução foi de 1.081.024 contratos (-5,71%). E em relação ao mês anterior, março apresentou uma pequena redução de 972 contratos (-0,01%).

Há duas formas de ler os números da agência: uma, que é o caminho seguido pelo próprio press release da Anatel, é de que mais uma vez o mercado apresentou queda de base. De fevereiro para março o mercado de TV paga perdeu mais 12 mil assinantes e fechou em 17,851 milhões de clientes. É uma perda que, no acumulado de um ano, engrossa a erosão de 1,081 milhão de clientes, uma queda de 5,7% nos 12 meses acumulados. Mas a queda de fevereiro para março foi irrisória. Depois de um ajuste nos números de fevereiro decorrente dos reportes das pequenas operadoras, o que se vê é que em março o mercado de TV paga perdeu menos de 1 mil assinantes. E se não fosse a queda da operação de DTH da Claro TV, que tem passado por um processo intenso de limpeza de base, teria havido um crescimento de base em março. E, mais importante do que isso, todas as operadoras grandes voltaram a crescer num mesmo mês. Aos números:

Empresas

A participação de mercado das prestadoras móveis ficou assim dividida em março de 2018: A NET possui 8.973.366 clientes, o que representa 50,27% do mercado, a Sky possui 5.298.485 clientes, o que equivale a 29,68% do mercado. A Telefônica possui 1.586.498 de clientes (8,89% do mercado) e a Oi possui 1.526.399 clientes (8,55% do mercado).

Nos últimos 12 meses, somente duas empresas registraram crescimento: a Oi com +175.163 contratos (+12,96%) e Algar com um leve aumento, de 362 contratos (0,37%). As demais empresas apresentaram queda, com destaque para NET, com a perda de 765.891 contratos (-7,86%) e Sky com redução de 289.986 contratos (-5,19%).

O grupo Claro Brasil teve uma queda de 16,1 mil clientes em março, fechando com uma base total de 8,973 milhões de assinantes. Mas a base de cabo cresceu 14,6 mil assinantes, fechando o mês em 7,177 milhões. O que puxou o desempenho do grupo para baixo foi um corte substancial de 30,7 mil assinantes na Claro TV (DTH), que fechou março com 1,796 milhão de assinantes.

O grupo Sky cresceu 8 mil clientes em março, chegando a 5,298 milhões de assinantes. A Oi TV segue a constante de alta e acrescentou mais 2 mil clientes, para 1,526 milhão de assinantes. A Vivo TV, que vinha perdendo base, voltou a crescer, e com vigor. Acrescentou mais 10 mil assinantes, para 1,586 milhão.

Outras pequenas operadoras perderam 4,7 mil clientes e hoje totalizam 396 mil assinantes. Para se ter uma ideia, desde agosto de 2016 não acontecia um cenário em que todas as quatro operações, excluindo o DTH da Claro, apresentavam crescimento ao mesmo tempo.

Aliás, a limpeza na base de DTH da Claro é, de longe, o principal elemento de contração do mercado de TV paga nos últimos 12 meses, representando 59% da perda líquida em número de assinantes entre março de 2017 e março de 2018.

Unidades da Federação

Dentre os estados, em 12 meses, as maiores reduções de contratos, em termos percentuais, foram: no Amapá com -3.021 (-12,89%), Pernambuco com -47.104 (-12,66%) e Sergipe com -11.174 (-11,69%). Em termos quantitativos as maiores quedas foram: em São Paulo com -485.499 contratos (-6,71%) e Rio de Janeiro com -129.250 contratos (-5,05%). Maranhão, Piauí e Tocantins registraram pequenos aumentos no serviço.

Na comparação entre fevereiro e março de 2018, as maiores reduções percentuais foram: no Amapá com -264 contratos (-1,28%) e no Pará com -4.913 contratos (-1,59%). Em termos quantitativos, as maiores diminuições foram: no Rio de Janeiro com -5.932 contratos (-0,24%) e no Pará com -4.913 contratos (-1,59%). O Rio Grande do Sul registrou um aumento de 8.082 contratos de TV por assinatura, de fevereiro para março de 2018.





Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.