Home Top Ad

A Galeria de Adriana Varejão, no Instituto Inhotim, é destaque em episódio inédito de Arquitetos no Canal Curta!

Share:

Imagem/Divulgação GF
Nesta terça-feira, 13 de novembro, às 20 horas, a série Arquitetos, da GRIFA FILMES, continua o passeio pelo Instituto Inhotim, museu a céu aberto na cidade mineira de Brumadinho, que que abriga um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo. O episódio inédito TACOA apresenta o escritório de arquitetura que projetou o pavilhão da Galeria Adriana Varejão. Os sócios da TACOA, Rodrigo Cerviño Lopez e Fernando Falcon, comentam como o espaço reflete a escola arquitetônica paulista, mas levando em consideração a paisagem mineira do local. 

Dirigida por Herbert Henning, com produção executiva de Fernando Dias e Mauricio Dias, a série Arquitetos tem curadoria de Guilherme Wisnik, arquiteto e professor da FAU/USP. Responsável pela seleção dos temas dos programas, Wisnik faz, em cada episódio, uma breve explanação sobre as características dos arquitetos e as principais obras criadas pelos escritórios. Os episódios apresentam o pensamento de importantes arquitetos que vivem no Brasil, traduzido por meio de seus projetos e obras.   

Este programa tem reapresentação na terça-feira, 13 de novembro, à meia-noite, quarta-feira, 14 de novembro, às 14 horas, e sábado, 17 de novembro, às 21h30.

TACOA é um escritório de São Paulo que pensa a arquitetura na fronteira com as artes plásticas. Além do espaço no Instituto Inhotim, projetaram também o Galpão da Galeria Fortes Vilaça, em São Paulo, e a nova sede do MIS- Museu da Imagem e do Som, no Rio de Janeiro.  “Eles trabalham com galerias, projetos de espaços expositivos, pavilhão em Inhotim, e pensam o projeto arquitetônico como uma interferência plástica na realidade”, afirma Guilherme Wisnik. “Eles trazem o acervo da arquitetura brutalista de São Paulo, grandes estruturas de concreto armado e aparente, e jogam essa questão no plano da subjetividade e da interferência autoral plástica”. 

Rodrigo Lopez explica que o prédio da Galeria Adriana Varejão é um volume de concreto inserido no morro para reproduzir a topografia original do terreno. A escolha do concreto aparente e o formato regular são inspirados na escola paulista de arquitetura, mas o resultado apresentas influências dos morros mineiros e das pedras da paisagem do carioca. “Ele é um edifício paulista celebrando o Rio de Janeiro em Minas Gerais”, completa.




Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.