Home Top Ad

TV Brasil exibe apresentação do Malê Debalê nesta quarta

Share:

Divulgação TV Brasil
Para celebrar os 40 anos do bloco afro Malê Debalê, a faixa Verão Show da TV Brasil traz uma performance especial do grupo nesta quinta (15), às 23h, em um ensaio realizado no Pelourinho, em Salvador, que reuniu astros do cenário musical baiano para festejar as tradições do grupo.

A performance tem a participação especial de convidados como Jau e os grupos Araketu, Jammil, Adão Negro e Samba Trator. Intitulado "Male + 40", o espetáculo foi gravado com exclusividade pela TVE Bahia.

Considerado um dos principais blocos afros do país, o Malê Debalê levou a energia contagiante de seus integrantes para conduzir esse ensaio preparatório para a folia em alto astral nas ruas da capital baiana.

Histórico do bloco afro

Formado em março de 1979, à beira da Lagoa do Abaeté, o Malê Debalê é um bloco afro que colocou o bairro de Itapuã no mapa do Carnaval não só da Bahia como também do país.

Ao longo de sua trajetória, o grupo criou a rotina de realizar os ensaios dentro da sede. Esta foi a segunda vez que o Malê Debalê promoveu um ensaio fora de casa. Na primeira ocasião, o evento aconteceu na Praça Tereza Batista, também no Pelourinho

A primeira parte do nome do bloco remete aos negros que lutaram na Revolta dos Malês. O levante histórico de 1835 organizado por negros de origem islâmica contra a escravidão foi a revolta mais importante que aconteceu no estado.

A concepção inicial previa utilizar o nome 'Os Malês', mas resolveram incorporar um segundo nome. Alguns dos fundadores sugeriram o termo  'debalê' que era parte de uma música cantada pelo Badauê em um dos seus ensaios. Desse modo, com a ideia de 'positividade' nasceu o complemento 'Debalê'.

O primeiro Carnaval do o Malê Debalê em 1980 foi marcado pela conquista do concurso realizado pela prefeitura de Salvador como melhor afro. Com o tema Reino Dourado dos Achantes e a música "Diz Meu Povo", eles convidavam a população a conhecer o bloco e faziam reverência ao Ilê Aiyê, aos Filhos de Gandhi e ao Badauê.