Home Top Ad

Fred Sem Alma articula vingança contra Thomas em 'Novo Mundo'

Share:

Divulgação Globo/RAQUEL CUNHA
O pirata inglês Fred Sem Alma (Leopoldo Pacheco) conheceu o pai de Anna (Isabelle Drummond), o oficial inglês Edward já falecido, e carrega segredos envolvendo o também oficial Thomas (Gabriel Braga Nunes) e a morte do pai da jovem.
Ao lado de Hassan (Thiago Thomé), conheceu Joaquim (Chay Suede) e aproveitou a oportunidade para descobrir tudo a respeito do navio que levava Leopoldina para o Brasil. No entanto, a tentativa de atacar a embarcação foi fracassada, afinal, Thomas aproveitou uma oportunidade para tentar eliminar Joaquim,  usando a arma de Fred para atirar contra ele.
Condenado por um crime que não cometeu, Fred foi preso e se manteve calado por acreditar na promessa de Thomas de que facilitaria sua liberdade. Mas, com o passar dos anos, o pirata continuou recebendo notícias de Thomas na prisão sem que a boa notícia chegasse. Cansado de esperar e com a informação de que Anna e Thomas vão se casar, Fred começa a articular uma vingança contra o oficial inglês sem deixar pistas do que pretende fazer. 
As cenas estão previstas para irem ao ar a partir do dia 8 de maio. ‘Novo Mundo’ é escrita por Thereza Falcão e Alessandro Marson, com Duba Elia, João Brandão e Renê Belmonte e tem direção artística de Vinícius Coimbra e direção de André Câmara, João Paulo Jabur, Bruno Safadi, Guto de Arruda Botelho e Pedro Brenelli.
ENTREVISTA COM LEOPOLDO PACHECO

O que achou da volta da novela para o horário das seis?
Acho ‘Novo Mundo’ uma novela muito especial, feita de uma maneira especial e que resultou muito bem. Aborda a vinda da família real e deixa muito clara a importância da Leopoldina como, por exemplo, para os ganhos na nossa cultura. Foi uma turbulência o que passamos, e fiquei sabendo da volta da novela pela internet.

Fale um pouco sobre o personagem.
Tenho um carinho imenso por ‘Novo Mundo’ por ser uma novela que conta a história do Brasil de uma maneira interessante e bonita. Trata do dia a dia corriqueiro da família real e meu personagem é esse cara sem alma, esse pirata incrível, que se tornou grande na história. Essa é um personagem importante para a minha carreira porque saio do contemporâneo e para a época, com uma caracterização radical. Me identifiquei muito com o navio, a pirataria, os piratas, que eram muito bem preparados. Tinha uma conjuntura muito feliz.

Cite alguma cena que gostaria de rever.
São várias. Algumas já foram ao ar, como a chegada dos piratas na história, que é muito bonita e o sequestro da Leopoldina que foi uma sequência bárbara, além de todas as lutas e os confrontos com o Thomas (Gabriel Braga Nunes). São cenas muitas legais.

Comente sobre as cenas difíceis.
As cenas mais difíceis eram as lutas, sem dúvida nenhuma. Algumas coreografadas e outras com efeitos. Eram trabalhosas, complexas de fazer, mas foi um prazer, e o resultado ficou incrível!

Que lembranças leva com você desse trabalho?
Lembro com mais carinho do primeiro dia de gravação no navio. Fiquei horas me preparando, com aquela maquiagem tão trabalhosa. Quando saí da caracterização e vi o navio pelo lado de fora, tomei um susto imenso. Ele era muito grande, muito bem feito. Além do carinho com a preparação para a chegada do pirata. Quando eu vi aqueles piratas prontos, esperando, me senti uma criança com o mundo inteiro na mão. Foi lindo!

Como recebeu a notícia sobre a edição especial da novela?
A expectativa era grande por ser uma novela bem-sucedida e querida. Uma história do Brasil tão bem contada e bem-feita, com um elenco inacreditável e que deu muito certo. E essa possibilidade de reconstruir o ‘Novo Mundo’ para depois entrar ‘Nos Tempos do Imperador’, que é quase uma continuação, cria uma expectativa muito boa para a próxima novela. E, passados três anos desde a estreia, ela continua forte, pungente, bonita como história, como novela bem produzida. O público recebeu muito bem também.

O que levou do personagem?
O que ficou pra minha vida do Fred Sem Alma, apesar do nome bem forte, foi essa questão do fantástico. Ele era um cara bacanérrimo, simpático, querido. Eu tenho até hoje um carinho imenso por ele, estou muito feliz que ele vai voltar.