Mariana Nunes fala sobre dilemas de sua personagem Joana em 'Quanto Mais Vida, Melhor!'

Divulgação Globo/João Miguel Júnior

Joana, personagem de Mariana Nunes em 'Quanto Mais Vida, Melhor!', é uma mulher independente, bem-sucedida profissionalmente, mas que enfrenta um drama pouco abordado na dramaturgia: a solidão da mulher negra. Apaixonada pelo próprio chefe, Guilherme (Mateus Solano), ela acompanha de perto a crise no casamento dele com Rose (Barbara Colen), que, por obra do destino, se aproxima justamente dela. O projeto da médica de levantar uma ala gratuita de atendimento infantil dentro da Clínica Monteiro Bragança tem na ex-modelo uma forte aliada e o sentimento altruísta une a duas.
 
E, nos capítulos que irão ao ar nesta semana, elas estarão juntas em um desfile beneficente para arrecadar fundos para o projeto de Joana e a médica terá seu coração testado, com a proximidade desse casal. Além da possibilidade de colocar luz às questões sensíveis como as afetividades de mulheres negras, na entrevista abaixo, Mariana também exalta a representatividade que seu papel carrega: ‘Esse é um personagem que eu sempre quis ver na TV’.
 
Entrevista com Mariana Nunes, a Joana de ‘Quanto Mais Vida Melhor’:
 
Fale um pouco sobre a Joana, seus dilemas e dores:
A Joana é uma mulher incrível! Ama sua profissão e é uma excelente cirurgiã cardíaca. Também trabalha como voluntária em um hospital público atendendo crianças. Ela é uma mulher muito ética. Tem valores muito corretos. Joana vive uma realidade muito comum a mulheres negras bem sucedidas profissionalmente: quanto mais ascensão a gente tem, menor é o nosso convívio com nossos pares. Isso tem melhorado, mas muito lentamente. Eu, particularmente, ando muito cansada dessa realidade.
 
Qual a importância de termos uma atriz negra vivendo uma médica, bem-sucedida? Acredita que vai inspirar outras meninas negras a seguirem nessa profissão?
Esse é um personagem que eu sempre quis ver na TV, aliás, gostaria de já ter visto esse personagem na minha infância e adolescência porque médicas negras existem há muito tempo. Claro que depois das cotas nas universidades esse número aumentou, mas acredito que a televisão tem a responsabilidade de dar mais visibilidade a essa realidade que é cada vez mais comum.
 
Em quem se inspirou, como foi a preparação para criar essa personagem?
Eu me inspirei em diferentes mulheres negras profissionais da saúde, incluindo minha madrinha, Jovina Flavia, que é dentista. Infelizmente, por conta da pandemia, não pude visitar nenhum centro cirúrgico, mas entrevistei alguns profissionais da área e pude assistir virtualmente a algumas cirurgias.
 
Como sua personagem lida com trabalho voluntário?
Joana lida de forma muito natural com o trabalho voluntário que exerce em um hospital público. Ela acha que é seu dever como médica doar parte de seu tempo e de seu conhecimento para pessoas com um menor poder aquisitivo. Assim como tudo em sua vida, Joana é discreta, não faz disso uma bandeira, mas propõe para Guilherme a criação de uma ala para crianças carentes na Clínica Monteiro Bragança.
 
Quem são as atrizes que inspiraram você?
Taís Araújo é minha musa. Admiro muito a forma como ela administra sua carreira, porque ser atriz é muito mais que derramar lágrimas em cena. Ser atriz é administrar sonhos, realidade, estudos, racismo, machismo, afetos, frustrações e alegrias também. Muitas vezes, a gente vive uma vida inteira em um mesmo dia. É muito cansativo física e emocionalmente. É muito importante manter o autocuidado, fazer análise e ter pausas, mas a parte financeira é sempre uma questão. Mas seguimos fortes.
 
Os quatro protagonistas retornam à Terra com a missão de refazer suas vidas em um ano. O que você quer realizar no próximo ano?
No início do ano começo um novo trabalho e por isso não terei férias por agora, mas assim que acabar meu próximo projeto, meu desejo é fazer uma viagem longa.
 
Agora que acabaram as gravações da novela quais são seus planos?
Agora estou filmando o longa “Grande Sertão Veredas”, Guel Arraes e Flávia Lacerda.
 
‘Quanto Mais Vida, Melhor!’ é criada e escrita por Mauro Wilson, com direção artística de Allan Fiterman. Escrita com Marcelo Gonçalves, Mariana Torres e Rodrigo Salomão, direção geral de Pedro Brenelli e direção de Ana Paula Guimarães, Natalia Warth, Dayse Amaral Dias e Bernardo Sá. A produção é de Raphael Cavaco e a direção de gênero é de José Luiz Villamarim.
Anderson Ramos

Um site sobre TV paga com as principais noticias envolvendo o setor, e suas principais operadoras. Além das novidades dos canais e streamings! facebook twitter instagram

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV.

Postagem Anterior Próxima Postagem