Amigos de infância, Bento, Letícia e Lorenzo vivem triângulo amoroso em 'Além da Ilusão'

Divulgação Globo/João Miguel Júnior

Bento (Pedro Guilherme Rodrigues/Matheus Dias), Letícia (Maria Luiza Galhano/Larissa Nunes) e Lorenzo (Vinicius Pieri/Guilherme Prates) são amigos de infância e foram criados juntos no lugar onde, anos mais tarde, se tornou a vila operária da fábrica de tecelagem, instalada em Campos dos Goytacazes. Filho de Abílio (Luciano Quirino), o jovem e inteligente Bento sonha em se tornar um grande escritor e, na segunda fase da história, a amizade que tem por Letícia, a agora professora da escolinha da vila operária, se transforma em amor. Mais tarde, os dois decidem ficar noivos, para a tristeza de Lorenzo, que desde criança é apaixonado por ela, mas nunca foi correspondido.

Ao saber que Bento e Letícia vão casar, o filho da italiana Giovanna Martinelli (Roberta Gualda) fica arrasado e decide então se alistar na Força Expedicionária Brasileira, para lutar na Segunda Guerra e tentar esquecer a amada. O que ele não imaginava é que Bento, tomado por gratidão pelo amigo que sempre foi um grande incentivador da sua carreira de escritor, também decide ir à guerra para protegê-lo. À Letícia, filha mais velha de Onofre (Guilherme Silva) e Felicidade (Carla Cristina Cardoso), resta a aflição ao ver partir seu grande amor e seu melhor amigo.

A atriz Larissa Nunes, que dá vida à Letícia, e os atores Matheus Dias e Guilherme Prates, intérpretes, respectivamente, de Bento e Lorenzo, contam em entrevista os desafios na construção de seus personagens e mais detalhes sobre a trama. Confira!
 
ENTREVISTA LARISSA NUNES

Como você define a Letícia?
A Letícia é inteligente, justa e não deixa de ser uma garota simples e apaixonada. Desde cedo, o público acompanha a história de uma jovem que se encanta pela educação e faz disso um ofício, tendo essa afinidade com o sonho do namorado Bento, que deseja ser escritor. Letícia não abre mão de viver seu sonho, e vai reconhecer, posteriormente, que precisa vencer preconceitos e que também merece amar e se sentir amada. Ela é uma personagem que tem a leveza na medida e a determinação de uma garota que vive a realidade brasileira dos anos 40.
 
Em quem se inspirou para fazê-la?
Em todas as mulheres e meninas pretas que conheci. Relembrei com atenção das minhas avós, uma nascida nos anos 30 e a outra nos anos 20, que chegou a trabalhar como redatora de um jornal regional em Vitória da Conquista, na Bahia, trazendo as histórias de romance vividas por elas, cheias de muitas idas e vindas. Também fui até as professoras e o ensino do magistrado nos anos 40 e 50, pra contextualizar mais a minha personagem no seu tempo. Porém, como nossa novela tem muito encanto, fui até as grandes estrelas negras do cinema norte-americano como Eartha Kitt, Dorothy Dandridge; e a doçura de Judy Garland em “O Mágico de Oz”. Essa combinação diversa me alimentou muito no processo de construção de Letícia.
 
Qual a importância de interpretar uma professora nesse momento tão desafiador que estamos vivendo?
A educação é o grande portal de descobertas e reviravoltas na nossa sociedade. Em um ano tão importante como 2022, fazer uma professora que pode viver o próprio sonho de ensinar e não apenas se tornar aquilo que determinam pra ela é um sinal de que as coisas na dramaturgia e na vida real estão em transformação. Criamos novas brechas para fazermos a diferença no coletivo. Professores têm um papel essencial na sociedade e, mesmo reconhecendo suas origens, Letícia sabe que é através da educação que tem chances reais de transformar o mundo.
 
Qual a sua expectativa para este trabalho?
Estou muito animada com a minha primeira novela. Recém-chegada no Rio de Janeiro e saindo de trabalhos mais curtos no audiovisual, fui muito bem recebida pelos meus colegas de elenco, desde a preparação, além da nossa novela ser muito envolvente. Todos os personagens nos encantam, são irreverentes, interessantes e bem escritos. Espero que a história da Letícia seja relevante e mobilize mais pessoas a acreditarem no amor, mesmo com as dificuldades da vida. E que não haja mais barreiras para sentir uma realização no amor e no trabalho.
 
Comente sobre a relação de Letícia, Bento e Lorenzo.
Leticia, Bento e Lorenzo são amigos de infância. Conviveram desde sempre no engenho e viram aquele lugar se transformar no que hoje é uma vila operária. Esses amigos cresceram juntos descobrindo novos sentimentos, como a paixão. Bento despertou em Letícia e ela por sua vez despertou algo em Lorenzo que ele não consegue revelar. Quando se tornam adultos, tudo fica mais maduro e esse amor começa a levar esses personagens a tomarem duras decisões. Lorenzo vai para a Segunda Guerra Mundial, num ato radical pra tentar esquecer esse amor e Bento sente a necessidade de proteger o amigo, mesmo sem saber o que o amigo sente. Letícia, apaixonada por Bento, também nutre a intensa amizade pelos dois rapazes e o instinto de tê-los por perto. A relação dos três é de intimidade e proteção. Por isso, a história pode trazer algumas reviravoltas.
 
ENTREVISTA COM MATHEUS DIAS

Como você define seu personagem?
O Bento é um rapaz muito apaixonado, amoroso, sonhador, sensível e isso diz muito sobre o que ele escolheu pra ter como sonho, que é ser um grande escritor. A lealdade e o respeito são suas maiores virtudes, mas por acreditar muito nas pessoas e querer fazer muito pelos outros, isso pode atrapalhar. Bento é muito grato e parece que se alguém faz algo por ele, na sua cabeça, ele tem que retribuir. O amor que ele sente pelas pessoas é tão grande, que ele esquece de si.
 
Em quem se inspirou para fazê-lo?
Tive muitas referências ao longo do processo, pesquisei em muitos filmes e personalidades reais. Personagens do Denzel Washington; o Zé Navalha, interpretado por Lázaro Ramos em ‘Lado a Lado’; Stephan James, do filme ‘Se a Rua Beale Falasse’; Machado de Assis e Muhammad Ali são algumas referências.
 
Pesquisou sobre a guerra para fazer o personagem? 
Um dos momentos mais divertidos foi pesquisar as referências da guerra. Foi um trabalho de pesquisa muito interessante, porque quando soube que o personagem iria pra guerra, fiquei encantado, pois é um assunto que sempre me interessou, desde novo. Achei vídeos, filmes e muitos registros em áudios dos Pracinhas em documentários. A Larissa Nunes me apresentou um aplicativo de fotos e encontrei registros incríveis da época e passei a colecionar essas fotos. Fazia uma série de postagens com essas fotos toda semana nas minhas redes, pra criar um álbum e ter esse universo de referências registrado, e ninguém entendia nada porque não podia contar ainda sobre a novela. Eu e Larissa também trocávamos cartas e áudios com poesias, quando ela ainda estava em São Paulo e eu no Rio, como se fôssemos os personagens já nessa distância da guerra. Foi lindo!
 
Qual a sua expectativa para este trabalho?
Minha expectativa é que as pessoas se reconheçam no Bento e Letícia, principalmente, os jovens pretos. Durante muito tempo a gente quer conquistar esse espaço, de mostrar nossos personagens em outros lugares e nós dois representamos a esperança do futuro. Somos um escritor e uma professora, dois jovens pretos que se amam de verdade e se valorizam. Além da história deles ser muito marcante, é encantador.
 
Comente sobre a relação de Bento, Letícia e Lorenzo. 
Bento, Lorenzo e Letícia cresceram juntos. E nessa amizade eles acabaram se tornando uma família, eles se completavam nas suas necessidades. Bento e Letícia se prometeram ainda muito novos e Lorenzo alimenta um amor por ela também, mas sempre foi algo velado. E essa relação é muito complexa, porque o Lorenzo ama a Letícia e ama muito o Bento. Ele ajuda o Bento a conquistar o sonho dele, mas quando percebe que não vai conseguir ter esse amor, toma uma atitude radical e decide se alistar. Só que ele não esperava que o Bento fosse junto e ele mente dizendo que foi convocado.
 
ENTREVISTA COM GUILHERME PRATES

Como você define seu personagem?
É difícil definir uma personagem porque elas são muito complexas e contraditórias, mas acho que muito do que a gente é vem da nossa infância. Então, o Lorenzo teve uma infância sem pai, ajudando sua mãe no trabalho e isso fez com que os dois tivessem uma relação muito forte. Por outro lado, ela o privou de viver outras relações, como as que ele poderia ter na escola, por exemplo. E acho que é disso que ele sente falta, sem falar da descoberta do grande amor, que também foi totalmente privada pela relação que já existia entre o Bento e a Letícia. Acredito que, no fundo, é tudo isso misturado que faz ele querer sair dali e ir pra guerra encontrar algum sentido para o que ele está vivendo.
 
Em quem se inspirou para fazê-lo?
Não tenho uma inspiração específica. Tenho uma playlist que me traz sensações que eu acho que constroem esse universo que ele habita... Por exemplo: as canções ‘Disparada’, ‘Romaria’, ‘Bolero de Isabel’, ‘Dança da Solidão’, ‘Lamento Sertanejo’ e ‘Bicho de Sete Cabeças’ estão nessa lista. Por que? Eu não sei.
 
Pesquisou sobre a guerra para fazer o personagem?
Pesquisei! A minha história está diretamente ligada com a guerra porque minha bisavó e meu bisavô vieram fugidos da Áustria. Eu só conheci minha bisavó e nós tivemos parentes, incluindo os pais deles, mortos em campos de concentração. Além disso, sempre amei história, então a Segunda Guerra Mundial já era um objeto de estudo antigo. Para as cenas de guerra, vi inúmeros filmes que retratam esses conflitos, como o ‘Resgate do Soldado Ryan’, ‘Dunkirk’ e ‘Batalha Esquecida’.
 
Qual a sua expectativa para este trabalho?
Eu procuro não criar muitas... Espero que gostem (risos).
 
Comente sobre a relação de Lorenzo, Letícia e Bento.
Eles cresceram juntos. Os três são melhores amigos, sinto que a relação com a Letícia é um pouco mais distante. Na primeira fase, eles eram mais próximos, mas depois que a Letícia e o Bento começam a namorar, na segunda fase, eles têm menos momentos juntos, não por um enfraquecimento dessa amizade, mas porque é difícil esconder os sentimentos. Já com o Bento, parece que a relação se torna mais forte, porque eles são muito próximos e, talvez, essa seja até uma forma do Lorenzo não se afastar completamente da Letícia e também de tentar dizer pra si próprio que está tudo bem, desejando o máximo de felicidade para eles e sendo o melhor amigo que ele pode ser.
 
'Além da Ilusão' é criada e escrita por Alessandra Poggi, com direção artística de Luiz Henrique Rios. A obra é escrita com Adriana Chevalier, Letícia Mey, Flávio Marinho e Rita Lemgruber. A direção geral de Luís Felipe Sá e direção de Tande Bressane, Jeferson De e Joana Clark. A produção é de Mauricio Quaresma e a direção de gênero é de José Luiz Villamarim.

O Universo da TV

O Universo da TV é o site perfeito para quem quer ficar por dentro das últimas novidades da TV. Aqui, você encontra notícias sobre TV paga, programação de TV, plataformas de streaming e muito mais. É o único site que oferece uma cobertura completa da TV, para que você nunca perca nada. facebook instagram twitter youtube

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato