Ad Code

A história de Maria Felipa é tema do terceiro episódio do podcast 'Mulheres na Independência'

Divulgação

Maria Felipa de Oliveira fez história liderando um grupo de 40 mulheres, conhecidas como vedetas, que guardavam as praias da Ilha de Itaparica, na Bahia. Escravizada liberta, ela combateu marinheiros portugueses e foi intitulada como 'Guerreira da Independência'. A sua trajetória é contada no terceiro episódio de ‘Mulheres na Independência’, novo podcast original Globoplay que traz a história de seis brasileiras que exerceram variados papéis influenciando diretamente o movimento político e social brasileiro. A roteirista Antonia Pellegrino narra a trajetória de Maria Felipa, enquanto a historiadora Heloísa Starling mergulha na conjuntura que levou às batalhas na Bahia. 

Graças ao trabalho como marisqueira, Maria Felipa conhecia a fundo a região e se tornou uma importante estrategista para as movimentações da luta contra a dominação portuguesa. Sob seu comando, as vedetas incendiaram pelo menos duas embarcações portuguesas: a canhoneira ‘Dez de fevereiro’ e a ‘barca Constituição’.   

''A Bahia foi a segunda província a assumir seu compromisso com as cortes portuguesas, posicionando-se a favor dos revolucionários lusitanos devido às relações comerciais mantidas com a metrópole. Em fevereiro de 1821, a Bahia oficializou à instalação da Junta Provincial e se posicionou entre dois polos de poder em disputa acirrada: Lisboa e Rio de Janeiro'', detalha Heloísa exaltando a relevância da região. 

No momento da Independência do Brasil, Maria Felipa morava num casarão chamado Convento, um alojamento onde viviam vários outros trabalhadores. A maioria dos habitantes estava envolvida na ‘Campanha da Independência’ e o lugar foi sede de inúmeras discussões de estratégias de luta pela libertação do domínio português. “Maria Felipa era uma líder da comunidade. O povo de Itaparica a admirava pela sua força e não demorou muito para que ela se destacasse como uma das cabeças de chave no comando da Campanha da Independência. Quando as batalhas começaram, a baiana não pensou duas vezes e viu que era a hora de colocar seus conhecimentos em prática. Sem suas estratégias e liderança, e sem as baianas guerreiras, a luta pela independência no Recôncavo e em Itaparica não seria a mesma”, destaca Antonia Pellegrino, roteirista e criadora do podcast.
 
O projeto é um original Globoplay, com produção da Pipoca Sound, especializada na produção de podcasts e mídias audiovisuais. Para ouvir o terceiro episódio, que traz a história de Maria Felipa de Oliveira, clique aqui. A série narrativa tem seis episódios, publicados às quartas-feiras, com encerramento no dia 07 de setembro, marco dos 200 anos da Independência do Brasil. 

Postar um comentário

0 Comentários

Ad Code