Home Top Ad

Canal VIVA - Destaques da programação de 12 a 18 de março

Share:

Destaques da programação Canal VIVA. (Imagem: Divulgação)
Conheça os destaques da programação do Canal VIVA de 12 a 18 de março.

ENCONTRO COM FÁTIMA BERNARDES
segunda-feira, dia 12 de março, às 17h

O tema do programa que será exibido na segunda, dia 12, é vergonha e timidez e os convidados para conversar com Fátima Bernardes são Fernanda Lima, Sandra Passarinho e Andrea Cavalcanti. Nas ruas, o povo responde como se sentem na hora da conquista e qual a maior vergonha que já passaram. A apresentadora aproveita e faz uma dinâmica com a plateia sobre timidez.

A jornalista Sandra Passarinho é a entrevistada de Fátima e as duas relembram reportagens marcantes feitas por ela.

O programa fala ainda sobre a paixão das mulheres por sapatos e encerra com uma entrevista com Fernanda Lima.

SAI DE BAIXO
terça-feira, dia 13 de março, às 21h15

Caco (Miguel Falabella), Vavá (Luis Gustavo) e Ribamar (Tom Cavalcante) são expulsos de casa por Cassandra (Aracy Balabanian) porque a irmã Imaculada (Dirce Migliacio), antiga professora de canto dela, está chegando para uma visita. Eles vão para um cassino, onde perdem uma fortuna para o Gorila (Alexandre Frota), que passa a persegui-los.

Para tentar fugir, eles se vestem de mulher, fazendo o Gorila permanecer mais tempo na casa, que ele considera um harém. Arrependido de seus pecados, Gorila se converte numa freira do coral da irmã Imaculada.

OS TRAPALHÕES
quarta-feira, dia 14 de março, às 20h15

O programa desta quarta conta com as participações especiais de Xuxa e do grupo infantil Trem da Alegria. Ao lado do quarteto, eles falam sobre o filme “Princesa Xuxa e os Trapalhões”, todos caracterizados como os personagens da história e exibem algumas cenas do longa.

Além disso, o humorístico traz esquetes divertidas com Mussum como vendedor de leques na rua, Didi querendo conquistas uma moça e, ainda, ele vestido de Xuxa e Dedé, Mussum e Zacarias, de baixinhos.

A DIARISTA
sexta-feira, dia 16 de março, às 22h

Marinete cansou de ser diarista e decide arrumar um emprego de secretária. Junto com as amigas Ipanema, Dalila e Solineuza, começa a procurar em anúncios no jornal. Depois de muitas entrevistas, Nete é contratada por Sr. Freitas (Daniel Dantas), que acredita que ela fala alemão.

Figueirinha fica arrasado e tenta convencer Nete a voltar com um aumento de R$ 2,00 em sua diária, mas nada feito. Em seu novo trabalho, ela é convocada a acompanhar uma reunião com os gringos e aí começam as confusões. Para piorar a situação, Dalila e Solineuza vão visitá-la no trabalho novo, carregando uma câmera a tiracolo para registrar tudo que acontece com a amiga.

A VIDA COMO ELA É
sexta-feira, dia 16 de março, às 23h15

Em “O Anjo”, mais uma vez o adultério é o tema central. Dagmar (Cláudia Abreu) e Geraldo (Leon Góes) acabaram de ficar noivos e ela, então, achou prudente alertá-lo para o perigo que sua irmã Alicinha (Gabriela Duarte) poderia representar ao casamento dos dois. Tomada pelo ciúme, Dagmar dizia ao noivo que ele jamais poderia se aproximar da cunhada, pois ela estava crescendo e se tornando uma linda mulher. A família tentou, sem sucesso, tirar essa ideia fixa da cabeça de Dagmar. A beleza de Alicinha muito a incomodava e isso acabou por despertar o interesse de Geraldo pela cunhada. “Não existe mulher mais bonita do que a cunhada bonita”. Sem esperar, ele recebeu a visita de Dagmar em seu trabalho. “Você tem medo de mim?”, perguntou a jovem, que logo pediu um beijo ao noivo de sua irmã. Ele tentou resistir, mas a moça foi ousada e o agarrou. A partir desse dia, Geraldo estava nas mãos de Alicinha, que passou a ameaça-lo para que se encontrassem às escondidas. Era o verdadeiro demônio atazanando a vida do rapaz. Pressionado a ir visitá-la em casa, aproveitando o momento em que se encontrava sozinha, Geraldo foi arrastado por Alicinha até o quarto de Dagmar, onde se jogou na cama, e se insinuou para ele. E foi ali que tudo terminou, com Geraldo matando a cunhada por asfixia. Ao ver a irmã morta, Dagmar correu ao encontro do noivo, já na delegacia, e agradeceu por ele ter assassinado àquela que tanto a perturbava.

DONOS DA HISTÓRIA
sábado, dia 17 de março, às 19h

VIVA exibe a emocionante entrevista de Benedito Ruy Barbosa ao programa “Donos da História”. Com 86 anos, mais de 50 dedicados à dramaturgia, o autor acumula um universo ficcional vasto, que abrange desde as tramas rurais brasileiras até histórias de paixões quase impossíveis e sagas familiares. O homenageado também tem seu perfil marcado pela criação de heróis que conquistam o público. “Escrevi 34 novelas, que representam mais de 200 mil páginas. Somando as novelas que eu era orientador, acompanhava, tem 45, 46 no total. Sempre trabalhei com as melhores figuras também. Aprendi muito. Sempre fui muito sério nas minhas coisas. Até demais”, conta.

Natural de Gália, interior de São Paulo, Benedito lançou o primeiro livro, Fogo Frio, que virou peça teatral, em 1959. Em seguida, iniciou a carreira como jornalista e roteirista. “Também fui redator de grandes empresas e foi uma escola maravilhosa que tive. A publicidade naquele tempo, a criatividade era uma outra coisa. Nem tinha televisão. Tínhamos que inventar mesmo”, recorda.

Como novelista, passou pelas emissoras Excelsior, TV Tupi e Record. Em 1971, foi contratado como assessor especial pela TV Cultura e assinou a obra “Meu Pedacinho de Chão”, coproduzida com a Globo. A história virou remake em 2014, também pelas mãos de Benedito. Ainda na década de 1970, o autor escreveu “O Feijão e o Sonho” (1976), “À Sombra dos Laranjais” (1977) e “Cabocla” (1979). Em 1986, estreou um dos principais sucessos de sua carreira: “Sinhá Moça”. A trama ganhou remake vinte anos depois.

Em 1990, após uma breve passagem pela Rede Manchete com “Pantanal”, Benedito retornou a Globo e se consolidou como um dos transformadores da teledramaturgia brasileira inserindo de vez o ambiente rural nas novelas. “Pantanal foi a realização de um sonho”, recorda. Entre seus clássicos estão “Renascer” (1993), “O Rei do Gado” (1996), “Terra Nostra” (2000), “Esperança” (2002) e “Velho Chico” (2016). Benedito destaca a importância da troca entre autores e diretores, e elogia a parceria com Luiz Fernando Carvalho. “Há sempre um problema sério entre o autor e o diretor, porque o diretor é o homem que lida com o elenco, com o seu texto. Se ele tiver uma boa leitura daquilo que você escreve, você esta sossegado. Se ele não tiver, você está roubado. Tem diretor que estraga a novela. Isso estamos falando sem citar nomes, porque não há quem citar. Nenhum diretor estragou novela minha, graças a Deus! Mas o Luiz Fernando Carvalho, ele acrescenta.”.

Ao longo do programa, Benedito se emociona ao assistir os depoimentos de Antonio Fagundes e do saudoso Cláudio Marzo. “Ele é o autor com quem mais trabalhei na Globo. Devo ter feito seis ou sete trabalhos com ele. Todos maravilhosos, personagens bem acabados. Cheios de emoção, como ele é. Você sabe que fazer um personagem do Benedito vai ter uma carga emocional muito grande e isso é muito bom para o ator. Acho que para o público também”, comenta Fagundes. Benedito agradece o carinho do ator e conta como lhe convenceu a aceitar o convite para viver José Inocêncio, na novela “Renascer” (1993). “Saímos para jantar e contei sobre os primeiros e último capítulo. Ele chorou…”.

AMOR & SEXO
sábado, dia 17 de março, às 22h45

Fernanda Lima pergunta ao público nas ruas “o que pode e o que não pode no amor e no sexo?”. E pra esquentar o clima no palco, ela recebe os atores Murilo Benício e Marisa Orth para o quadro do Strip Quizz. Questionado sobre o terceiro encontro ser decisivo para um relacionamento, Murilo se declarou um romântico e disse que hoje em dia é tudo tão rápido que, depois de uma semana é crise dos 7 dias. Marisa Orth ficou um pouco sem graça diante da pergunta de Fernanda, mas foi sincera: Sexo oral é a melhor preliminar que um homem pode fazer em uma mulher? “Caramba… vai passar na TV? É”.

O programa segue falando sobre ejaculação precoce, com uma conversa com Dra. Carmita Abdo. Valéria Gonçalves, de 69 anos, e Fábio Gonçalves, de 78 anos, casados há mais de cinco décadas, que vão juntos para às ruas coletar os mais variados depoimentos sobre sexo, vida a dois, filhos, amor e muito mais. Desta vez o assunto foi o mesmo, se o homem já teve ejaculação antes do tempo e como resolveu a questão.




Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.