Home Top Ad

Nego Álvaro e Mingo Silva são os convidados do Samba na Gamboa da TV Brasil

Share:

(Imagem/Divulgação TV Brasil)
O programa Samba na Gamboa desta semana traz os instrumentistas, cantores e compositores Nego Álvaro e Mingo Silva. Os dois são músicos do Samba do Trabalhador, tradicional roda de samba do Rio, criada pelo sambista Moacyr Luz. No programa, Nego e Mingo batem-papo com o apresentador Diogo Nogueira sobre suas carreiras e falam da importância do samba na vida dos trabalhadores. 

Samba na Gamboa, que está em sua sétima temporada,  vai ao ar na sexta-feira, dia 7, às 21h45, na TV Brasil. Neste episódio, Diogo Nogueira e os convidados cantam clássicos. como “Cabô, meu pai”, “Lendas da “Mata” e “Povo do Ayê.  Nego Álvaro e Mingo Silva são músicos fixos do Samba do Trabalhador desde 2010/2011. 

Criada em 2005, a roda de samba acontece no Clube Renascença, no Rio de Janeiro, todas às segundas feiras, e já se firmou como um importante reduto para o fortalecimento e a difusão do gênero. No “Rena”, como é chamado o clube, caravanas de turistas de vários estados batem ponto, artistas renomados já deram canja na roda.  

Compositor, percussionista e cantor, Mingo Silva nasceu em Niterói (RJ), e sempre esteve presente nas rodas de samba do Rio de Janeiro.  Acompanhou como percussionista grandes mestres do samba, como Luiz Carlos da Vila, Ratinho, Monarco e Noca da Portela. Dono de uma voz aguda peculiar, Mingo tem um repertório eclético, interpretando sambas de sua autoria e de compositores já consagrados nas vozes de artistas como Martinho da Vila, Zeca Pagodinho, João Nogueira, Roberto Ribeiro e Cartola. 

Criado na favela Catiri, no bairro de Bangu, na Zona oeste do Rio de Janeiro, Nego Álvaro cresceu ouvindo seu irmão mais velho, Adelson Santos, tocar instrumentos de percussão. Aos 10 anos de idade,  ganhou da mãe seu primeiro pandeiro e, aos 13, foi pela primeira vez a uma roda samba, o Pagode da Tia Doca, quando decidiu que seria sambista. 

 Aos 15 anos, Nego já estava tocando profissionalmente no Pagode da Tia Ciça, e desde então tem uma trajetória em ascensão como um dos novos talentos da cena do samba.  Em 2016, lançou pelo selo Coqueiro Verde seu primeiro CD solo “Cria do Samba”, produzido por Pretinho da Serrinha, com músicas de sua autoria, como a faixa-título.




Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.