Home Top Ad

Partituras reverencia diretores da Sala Cecília Meireles neste domingo na TV Brasil

Share:

Divulgação TV Brasil
Três diretores da Sala Cecília Meireles são os homenageados do Partituras deste domingo (16), às 12h30, na TV Brasil. Com regência de Lee Mills, a apresentação da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) faz um tributo a João Guilherme Ripper, Jean Louis Steuerman e Miguel Proença, grandes músicos que, com suas gestões, abrilhantaram a trajetória deste relevante cenário da música no Rio de Janeiro.

O pianista Jean Louis Steuerman e a soprano Angélica de La Riva completam o time que executa o concerto exibido este domingo pela emissora pública de tevê.

Ao longo de 53 anos, a Sala Cecília Meireles foi palco de importantes momentos para a cultura do país. Grandes artistas, orquestras e conjuntos passaram por lá, deixando sua marca e promovendo a difusão da música clássica e popular.

Mas o palco não foi o único lugar da Sala em que os artistas demonstraram seus talentos. Com grandes músicos na direção, a Sala Cecília Meireles se transformou ao longo do tempo e garantiu ao público o que há de melhor no cenário musical. É o caso dos três últimos diretores da casa, homenageados neste programa.

Sob a gestão do compositor João Guilherme Ripper, a Sala passou por uma ambiciosa e cuidadosa reforma, que restaurou os sons originais e aprimorou ainda mais a sua acústica. Além disso, em dez anos Ripper promoveu inúmeros espetáculos “de peso”, entre eles o ciclo com a Integral das Sonatas para Piano de Beethoven, nas mãos do pianista François-Frédéric Guy.

Já pianista Jean Louis Steuerman foi responsável por programar prestigiosas estreias. Foi graças a ele que o público carioca pode, pela primeira vez, assistir ao vivo todas as sinfonias de Schubert. Steuerman também se dedicou a realizar premières de música contemporânea, como o Mantra, de Stockhausen; obras de Manoury; e, ainda, a Segunda Sonata para Piano de Pierre Boulez.

Ao reassumir a gestão da Sala, em 2017, Miguel Proença se comprometeu a reafirmá-la enquanto espaço de difusão da música de concerto. E assim o fez: trouxe, por exemplo, uma variedade de orquestras para o palco, realizou ciclos com obras de Brahms e Rachmaninov, criou a “Série Sala Lírica”– verdadeiro sucesso –, com joias do repertório lírico e operístico.