Home Top Ad

Sem Censura desta sexta-feira na TV Brasil fala de empoderamento feminino

Share:

Divulgação TV Brasil
O programa Sem Censura desta sexta-feira (21), que vai ao ar ao vivo às 17h na TV Brasil, recebe mulheres que, através de seus trabalhos, reafirmam o lugar feminino na sociedade. Uma das convidadas é a cantora Malía, nova promessa de sucesso da música pop brasileira.

Com apenas 20 anos, a artista lançou seu primeiro CD recentemente através das plataformas digitais. O trabalho de estreia de Malía é o álbum “Escuta”, com dez músicas, a maior parte de autoria da cantora. São diferentes estilos, com batidas de reggae, trap, rock, samba rock e R&B, com letras que mesclam romantismo e um discurso feminino empoderado.

Malía, que foi criada na Cidade de Deus, comunidade na Zona Oeste do Rio de Janeiro, será uma das atrações do Espaço Favela da próxima edição do Rock in Rio, em setembro.

A apresentadora Vera Barroso e a jornalista Tâmara Freire também batem um papo com Rosane Lopes, designer de joias que, após trabalhar em uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU) por 15 anos, se especializou na capacitação feminina ao redor mundo. A partir de sua atuação como consultora especial para situações de risco e emergência no Haiti, Iraque e Angola, entre outros países, Rosane decidiu implementar o projeto Arte de Transformar – Refazendo Vidas e fundar o Instituto D4D (Discipline 4Dignity), com o objetivo de empoderar mulheres aumentando suas fontes de renda.

Ainda nesta edição do programa, Lucelena Ferreira lança seu novo livro “Mulheres na Liderança: Obstáculos de Gênero nas Empresas & Estratégias de Superação”. Economista formada também em Letras, Lucelena começou a observar como a cultura machista dificultava o crescimento de muitas mulheres dentro da carreira acadêmica. Nesse projeto, ela traz dados que comprovam barreiras objetivas e subjetivas que impedem a projeção das profissionais. 

Já Ana Teixeira, diretora da Amok Teatro, celebra os 20 anos da companhia com a peça “Jogo de Cena”. O espetáculo, encenado por dois homens, revela um estudo sobre mulheres solitárias, repletas de medos e rancores, enquanto o mundo agoniza ao redor.