Home Top Ad

Contardo Calligaris reflete sobre sentido da vida no Impressões desta segunda na TV Brasil

Share:

Divulgação TV Brasil
O psicanalista e escritor Contardo Calligaris é um dos intelectuais mais influentes em atividade no país. Em entrevista ao programa Impressões que a TV Brasil exibe nesta segunda (16), às 21h, o italiano radicado no Brasil fala do comportamento dos jovens e adolescentes e também manifesta a sua visão sobre o sentido da vida.

Na conversa com a jornalista Katiuscia Neri, ele revela os motivos que o fizeram refletir sobre esse tema. "Deve ser porque a minha (vida) está acabando e é sempre um bom momento para pensar", declara aos risos.

"Esse assunto de alguma forma sempre me preocupou, mas não é um assunto realmente para jovens. Então esse questionamento existe, mas é um tipo de meditação para que seja frutífero. É uma meditação para o último terço da vida", complementa.

Para Calligaris, a felicidade não se restringe ao conceito de juventude. "As pessoas da terceira idade, contrariamente ao que os adultos e os jovens imaginam, não são as mais infelizes. Ao contrário. Vivem melhor, porque são as pessoas que vivem com mais atenção a sua própria vida. No fundo é uma questão de atenção. Um dos problemas da insatisfação contemporânea é que somos extremamente desatentos", conclui.

Sobre os valores adotados pela juventude, o psicanalista relembra os tempos em que era terapeuta de adolescentes. Diz que o Brasil convive com um verdadeiro 'espantalho' que é a obsessão com o vestibular e o ingresso nas universidades.

"Você ouve pais falando como se a adolescência inteira fosse só um exercício de preparação para o vestibular. O problema é que o sentido da vida é estudar para entrar na universidade. Mas a gente tem que pensar, ou pelo menos se colocar uma vez essa pergunta: - E se meu filho, minha filha, se eles - Deus não queira – morressem amanhã? É muito importante que a vida deles tenha valido a pena".

Ao falar sobre o sentimento de felicidade Contardo é categórico. "Não é nem exato dizer que eu busco a alegria, mas eu prezo a alegria. A felicidade sempre me faz a impressão de uma coisa um pouco estúpida. Uma espécie de propaganda de margarina numa manhã falsamente ensolarada".

Ele é crítico em relação a este sentimento fabricado pela superexposição nas redes sociais. "As contas de Facebook e de Instagram são, de certa forma, a mesma coisa que uma fotografia com um falso sorriso. São fundadas na pretensão de mostrar aos outros, uma esperança, um pouco triste... A esperança um pouco triste de suscitar a inveja dos outros".

Para o psicanalista a sociedade é vítima de uma cultura que a convence de que o sentido da vida está após a morte, no futuro e até mesmo nos próximos projetos que serão realizados. Na visão de Calligaris, o trajeto percorrido é que deve ser valorizado. Para ele, é preciso praticar um olhar diferenciado diante do cotidiano.

"Valorizar a vida da gente não significa, necessariamente, querer ter comportamentos e gestos heroicos, que mereçam registros na televisão. Valorizar a vida é saber transformar a ida de cada dia a padaria da esquina numa aventura de descoberta dos outros, do que acontece na rua, do cachorro com o qual você cruza", afirma.

Por fim, o intelectual destaca: "O sentido da vida é a própria vida. Isso pode parecer uma total trivialidade, mas para a maioria das pessoas é um escândalo. Mas, pouquíssimas pessoas conseguem viver pensando que o sentido da vida está na vida e, vou dizer mais, é a própria vida", finaliza.