Home Top Ad

Estudos brasileiros sobre o genoma são destaque na TV Brasil

Share:

Divulgação TV Brasil
O episódio inédito de Cientistas Brasileiros Entre os Melhores que vai ao ar pela TV Brasil no sábado (22), às 9h30, apresenta o trabalho do geneticista Sérgio Pena, diretor do Laboratório Gene – referência nacional em genética – e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Pena estuda a diversidade de genomas, a genética da população brasileira e o diagnóstico de doenças pelo estudo dos genes.

De acordo com o professor, as diferenças entre as pessoas estão na superfície, no fenótipo. A similaridade genética entre humanos é de 99,5%. Mas esses 0,5% tornam cada indivíduo único e definem as particularidades de cada um.

Um dos objetos do estudo de Pena é o racismo, algo que, para o cientista, não dispõe de qualquer base científica.

"Existe sempre o interesse econômico por trás do racismo", afirma. "Não tem nada a ver com o desenvolvimento cerebral, inteligência, habilidade artística ou capacidade esportiva". A justificativa biológica foi usada no passado para categorizar pessoas com base na cor de pele e levou à escravização, perseguição e morte de milhões de indivíduos.

"Os genes de cor de pele adaptam as populações à sua geografia”, esclarece Pena. "Se você mora nos trópicos, precisa de uma pigmentação forte para impedir a degradação do ácido fólico, além de bloquear radiação ultravioletas que causa câncer de pele. Agora, se você migra da África para o norte da Europa, como a humanidade fez, vai haver uma pressão seletiva para que as pessoas fiquem mais claras de modo a permitir a síntese de vitamina D na pele."

Origens genéticas do brasileiro

Os estudos de Sérgio Pena revelam a ascendência genética do povo brasileiro, que em sua maioria descende de povos da África subsaariana, do norte da África, da Europa e de indígenas da América.

O professor espera que, com o avanço das pesquisas de mapeamento do genoma, as pessoas tenham acesso a uma medicina personalizada e participativa, capaz de antecipar tratamentos e cura para doenças de origem genética, muitas das quais são degenerativas.