Home Top Ad

Físico Ado Jório mostra como a pesquisa científica no Brasil vai ajudar pacientes com Alzheimer

Share:

Divulgação TV Brasil
No episódio inédito de Cientistas Brasileiros Entre os Melhores que a TV Brasil exibe às 9h30 de sábado (7), a equipe de reportagem apresenta o trabalho do físico mineiro Ado Jório, professor titular no Departamento de Física da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Na instituição, Jório coordena pesquisas em nanoestruturas e ótica, que permitem desenvolver novos materiais e equipamentos. Entre os avanços está a possibilidade de um diagnóstico mais rápido e preciso do Mal de Alzheimer, que deverá ser identificado antes mesmo de se manifestar no organismo.

Por meio de um nanoscópio – microscópio que permite visualizar em escala nanométrica, isto é, um milhão de vezes menor do que o milímetro – projetado por Jório e desenvolvido nos laboratórios da UFMG, será possível identificar a presença da proteína beta-amiloide, relacionada ao Alzheimer, no olho do paciente. Os testes ainda não foram realizados em humanos, mas os resultados atuais são promissores.

"O olho é uma janela para o cérebro", afirma o cientista. "Com um feixe de luz no nervo óptico, a gente é capaz de identificar o desenvolvimento do Alzheimer".

Em 2015, Ado Jório foi apontado um dos cientistas mais influentes do mundo em The World’s Most Influential Scientific Minds (Mentes Científicas Mais Influentes do Mundo), relatório publicado pela Thomson Reuters, agência especializada em divulgação científica. O documento reuniu um grupo com 1% dos mais citados pesquisadores naquele ano, em diferentes áreas.

Com mais de 180 artigos publicados, 23 livros e capítulos de livros, Jório é membro da Sociedade Brasileira de Física, da Academia Brasileira de Ciências, e recebeu os prêmios Somiya Award da International Union of Materials Reserach Societies (2009), Scopus Brasil da Elsevier&CAPES (2009), ICTP Prize do International Centre for Theoretical Physics (2012), Georg Forster Research Award da Humboldt Foundation (2015), Medalha da Inconfidência do governo do Estado de Minas Gerais (2016) e Prêmio Bom Exemplo da Rede Globo de Televisão, na categoria Ciência (2018).