Home Top Ad

Caminhos da Reportagem celebra 60 anos de Brasília neste domingo na TV Brasil

Share:

Divulgação TV Brasil
Como era o Planalto Central antes da construção de Brasília? E como foi a escolha do local exato para a construção da nova capital do país? Em comemoração aos 60 anos de Brasília, o Caminhos da Reportagem conta a história do Distrito Federal, do território à inauguração, neste domingo (19), às 20h, na TV Brasil. O conteúdo pode ser conferido também no aplicativo EBC Play.

A ocupação na região do Distrito Federal não começou nos anos 1950, com a construção de Brasília. Pesquisas arqueológicas mostram que o ser humano vivia por ali há pelo menos oito mil anos. No Sítio Cachoeirinha, localizado na região do Paranoá, é possível encontrar vestígios, como pedras lascadas que eram manipuladas e usadas como ferramentas.

"O homem sempre precisa de condições mínimas que é dispor de matéria prima para poder fazer uma ferramenta, de vegetação, de caça e de água", explica a arqueóloga Carolina de Abreu nessa edição do programa jornalístico.

A produção da TV Brasil mostra que a ideia de transferir a capital do litoral para o interior do país é antiga: começou no século XIX com o patriarca da Independência, José Bonifácio, seguido pelo diplomata Francisco Adolfo de Varnhagen.

Há relatos também sobre o sonho de Dom Bosco. O padre José Marinoni explica que em 1883 Dom Bosco ouviu uma voz que dizia: "Quando começarem a explorar esse planalto, vão aparecer riquezas que vocês não imaginam. Surgirá uma nova civilização, correrá leite e mel".

Essa série de indicações para a mudança da capital brasileira foi fortalecida com a promulgação da primeira Constituição Republicana, em 1891. No documento, o artigo terceiro definia que um dia a capital deveria deixar o Rio de Janeiro e ser transferida para o Planalto Central. O território indicado pela Constituição foi demarcado durante o longo e criterioso trabalho da Missão Cruls, iniciado em agosto de 1892.

Porém, a transferência demorou para acontecer. Segundo a historiadora e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Marieta de Moraes Ferreira, o desafio não era apenas transferir. "Era transferir e construir uma nova capital. Era uma coisa que envolvia sentimentos e emoções do ponto de vista da população brasileira e até da população do interior de Goiás e do Rio de Janeiro", explica.

Os planos para a transferência foram retomados durante o governo de Juscelino Kubitschek. Em 1956, o arquiteto Lúcio Costa venceu o concurso que escolhia o projeto da nova capital. "Deve ter feito tudo lá, quieto. Um dia me chamou e disse: 'Vem cá, quero te mostrar uma coisa'. Aí eu fui ver o que ele queria me mostrar. A coisa que ele me mostrou era Brasília", conta a arquiteta Maria Elisa Costa, filha de Lúcio Costa.

Com o início da construção de Brasília, um fluxo migratório sem precedentes se dirigiu rumo ao Planalto Central. "Essa ideia que JK lançou de construir a cidade ficou na ideia de todo mundo. Eram todos eles, construtores da nova capital", afirma o arquiteto Salviano Guimarães.

Entre os pioneiros está Raimundo Rodrigues, que saiu de Ipueiras, no Ceará, e enfrentou 14 dias de viagem em um caminhão pau de arara até chegar no local onde eram iniciadas as obras da futura capital do Brasil.

"Era só barro, poeira e vento frio. Isso aqui era tão frio que quem não conhece nem acredita", conta. Assim como Raimundo, o Caminhos da Reportagem conta com a participação de outros pioneiros, como o casal Norma e Corban de Deus, além de Alpheu Tomás Leite. Pessoas que dedicaram parte da vida a Brasília e que agora, 60 anos depois, têm muita história para contar.