Home Top Ad

Nesta quarta, cineasta Thales Corrêa conversa com Anne Braune sobre seu primeiro longa, "Nos Becos de São Francisco"

Share:

Divulgação Canal Like
De Minas Gerais para as telas. Depois de ser destaque no Festival de Cannes com os curtas “Parents”, inspirado na canção do Legião Urbana “Pais e Filhos”, e “Milvio”, Thales Corrêa lança seu primeiro longa “Nos Becos de São Francisco” – já premiado nos Estados Unidos, chega ao Brasil pelo NOW. Na quarta, dia 20 de maio, às 20h, o mineiro é destaque no Like e conversa com Anne Braune sobre carreira, cinema e muito mais.

Apaixonado por cinema, Thales Corrêa se mudou para os Estados Unidos e, depois de estudar na Escola de Cinema da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles), entrou de vez neste universo. No país, conheceu e virou amigo do também brasileiro Izzy Palazzini. Foi de uma conversa entre eles que surgiu a ideia de fazer “Nos Becos de São Francisco”, comédia dramática com temática LGBTQ+. “Somos gays, imigrantes morando aqui. Conversamos muito sobre o tema e nossos relacionamentos. Temos muito em comum, não só na vida pessoal, como nas séries e nos filmes que gostamos de assistir. Veio a ideia de falarmos sobre nossas frustrações e os relacionamento em aplicativos. O Izzy comentou de abordarmos as coisas que passamos e, na verdade, eu tinha um pouco de dificuldade de falar sobre isso. Meus filmes anteriores são completamente diferentes do meu mundo, gosto de ir para outro mundo, mas nunca tinha ido para o meu próprio. Izzy meio que puxou isso e me convenceu”, explica Thales.

Durante o bate-papo descontraído, o mineiro também revela que os personagens são inspirados neles. “Quando saímos à noite, já vivemos algumas aventuras bem cinematográficas. Demos uma roupagem cinematográfica, uma exagerada aqui e ali, mas são situações que passamos e nós mesmos achávamos absurdas”, brinca Thales. Além da direção, da produção e do roteiro, ele também atua no filme e interpreta Leo, um brasileiro que reúne os amigos Donnie (personagem de Izzy) e Hunter (Oscar Manski) para buscar, nas famosas e agitadas noites de São Francisco, uma pessoa que ele conheceu em um site de relacionamentos gay.

Thales também fala de Leo, seu personagem, e dos contrastes de personalidade com Donnie: “Ele é uma versão minha mais jovem, inocente, acreditando no amor. Enquanto o Leo é como se fosse um romântico sem esperança, tem um amigo que é completamente o contrário. Donnie não quer saber do amor, só quer zoação”, comenta.

“Nos Becos de São Francisco” tem como colorista Edo Brizio e conta com uma trilha original, produzida pelo DJ Same K. Divertido e dançante, o longa já está disponível no NOW e olha a dica de Thales: “É um filme que é na rua, na balada. É bom para botar você naquele ambiente que a gente está em falta agora na quarentena!”.


Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.