Canal Brasil fez live em defesa da Cinemateca Brasileira

Reprodução
Na noite de quinta, 30/08, o repórter Kiko Mollica conduziu, no Instagram do Canal Brasil, uma live com grandes nomes do cinema brasileiro para conversar sobre a crise atual e na importância que a Cinemateca Brasileira tem para a preservação, restauração e difusão de obras cinematográficas históricas e contemporâneas. Cacá Diegues, Mariana Ximenes, Tata Amaral, Débora Butruce, Roberto Gervitz, Kleber Mendonça Filho, Jeferson De, Bárbara Paz e Monica Iozzi participaram do bate-papo ao vivo.

Quem abriu a noite foi Cacá Diegues. O cineasta, cujas obras fazem parte do acervo da instituição, afirmou que “a Cinemateca é um museu do olhar. É através da Cinemateca que você conhece um país, uma nação. Não só o que se passou, mas como você viu o que se passou. A Cinemateca Brasileira é uma cinemateca de ponta. Tanto que eu botei os meus filmes lá, a obra do Glauber [Rocha] está toda lá”. Sobre a possibilidade de fechamento, Diegues disse: “Quando eu penso nisso me dá um frio na espinha. Se a Cinemateca acabar nós vamos perder a memória do cinema brasileiro, a memória do Brasil, o que aconteceu no Brasil nesses últimos anos”.

Em seguida, Mariana Ximenes também conversou com Kiko. A atriz, que cresceu no bairro da Vila Mariana, onde a Cinemateca está localizada, afirmou que tem uma relação afetiva com o lugar. “É uma memória viva, é um patrimônio histórico do nosso país e conta a história do nosso povo. A gente não pode deixar morrer”, pediu.

A cineasta Tata Amaral deu um depoimento longo e emocionado. Ela afirmou que, no ano passado, recorreu muitas vezes ao acervo da Cinemateca como fonte de pesquisa para a sua série “As Protagonistas”, sobre as mulheres pioneiras do audiovisual brasileiro. Ao falar sobre os trabalhadores da Cinemateca, que estão sem receber salário desde março e que serão homenageados com o Prêmio Humanidade, na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, afirmou: “Eu tenho vontade de chorar quando eu penso nisso, porque é tão forte, é tão bonito esse reconhecimento. Quem acompanha a Mostra sabe que esse é um prêmio que normalmente é dado a grandes personalidades do cinema mundial. E é verdade que, hoje, as grandes personalidades do cinema mundial são os trabalhadores da Cinemateca”.

Mollica recebeu ainda a vice-presidente da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual, Débora Butruce, que explicou o papel que a Cinemateca tem de preservação e restauração; e o cineasta Roberto Gervitz, coordenador do grupo de trabalho da Associação Paulista de Cineastas (Apaci) – SOS Cinemateca, que explicou a crise que a instituição atravessa, desde o seu início, em 2013.

Kleber Mendonça Filho comparou o descaso com a Cinemateca à situação da saúde: “É muito triste isso que a gente está vivendo e está observando. Eu acho que tem um paralelo interessante com a saúde no Brasil. Uma pandemia mundial e o governo simplesmente não está nem aí”. Quando perguntado sobre outras cinematecas mundo afora, respondeu: “Elas [as cinematecas em outros países] são tratadas como estufas, como jardins. Uma cinemateca, um arquivo, funciona como um depósito de sementes”.

Outra comparação repleta de lirismo para Cinemateca foi a de Jeferson De: “É a minha casa, a casa da minha mãe. A casa onde eu me nutri, onde eu fui amamentado, onde eu fui acarinhado. Onde eu busquei referências”. E complementou: “Alguém pode imaginar ‘ah mas na Cinemateca só tem imagem de gente branca, não tem nada a ver com a afro brasilidade’. Não não não não não! Aí é que mora o equívoco sobre a nossa memória. E a Cinemateca é só um exemplo imenso do quanto de diversidade o cinema brasileiro pode ter e pode ser”. De usou o acervo da Cinemateca para produzir seu primeiro curta, ‘Carolina’ – foi lá que encontrou as imagens da escritora Carolina de Jesus que usou na obra.

Quem também recorreu à instituição recentemente foi Barbara Paz, que na live afirmou: “Eu não faria o filme [‘Babenco - Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’] se não fosse o material de arquivo que tem na Cinemateca. O que eu precisei pra fazer o documentário estava lá”. Barbara é viúva do cineasta Hector Babenco, que morreu em 2016 vitimado por um câncer e teve o corpo velado na Cinemateca.

O depoimento que encerrou a noite foi o de Monica Iozzi. “Deixar de cuidar da Cinemateca é deixar de cuidar da memória do Brasil”, afirmou.

Anderson Ramos

O Universo da TV é o site perfeito para quem quer ficar por dentro das últimas novidades da TV. Aqui, você encontra notícias sobre TV paga, programação de TV, plataformas de streaming e muito mais. É o único site que oferece uma cobertura completa da TV, para que você nunca perca nada. facebook instagram twitter youtube

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato