Chega de saudade: elenco comenta sobre volta às gravações e destino de seus personagens em 'Amor de Mãe'

Divulgação Globo

Acabou a espera para o retorno de 'Amor de Mãe'. Na próxima semana, a novela de Manuela Dias com direção artística de José Luiz Villamarim estará de volta à grade da TV Globo. A partir de 1º de março, o público terá a oportunidade de se reconectar com as histórias dos personagens. Durante duas semanas, os capítulos vão relembrar como as vidas das mães Lurdes (Regina Casé), Thelma (Adriana Esteves) e Vitória (Taís Araujo) se entrelaçaram. O cotidiano dessas mulheres e dos demais personagens da trama, que tem a maternidade como tema, foram afetados, positiva ou negativamente, pelos acontecimentos da vida nos 102 capítulos exibidos na primeira fase. Os desfechos das histórias serão apresentados a partir de 15 de março com a exibição dos capítulos inéditos.

A segunda fase de ‘Amor de Mãe’ abordará a pandemia, que causou a interrupção das gravações em março de 2020. Os personagens seguem em busca de seus objetivos, mas, como na vida real, driblando as restrições que o coronavírus impôs a todos. A autora Manuela Dias conta como incorporou à trama uma doença que afetou e ainda afeta o mundo. “Para datar a volta da novela, fiz um salto de seis meses a partir do momento em que a Thelma atropela a mãe da Camila (Jéssica Ellen). Ao invés de colocar essa indicação, de seis meses, eu resolvi colocar o número de mortos e o número de infectados naquele momento. Nesse momento em que a novela volta, tinham 9 mil mortos”, explica.

Thelma (Adriana Esteves) não medirá esforços para proteger o segredo de que Danilo (Chay Suede) é, na verdade, o filho perdido de Lurdes. A atriz adianta que, apesar das maldades da personagem, o público também pode esperar cenas comoventes. “O final da Thelma era o que eu esperava e imaginava. Me emocionou muito. Durante os 23 capítulos finais, ela é doida e é vilã, mas também tem uma coerência e uma beleza muito fortes no final”, afirma. Adriana conta, ainda, como foi o reencontro com Thelma quando retomou as gravações da novela. “Tenho a impressão de que ficamos com o personagem guardadinho e, quando voltamos, estávamos cheios de vontade de colocar ele para fora. Acho que voltamos com mais entusiasmo, com muita vontade de terminar a história e dar um desfecho para ela”.

Clarissa Pinheiro, intérprete de Penha, faz coro a Adriana: “Quando a gente pisa no set, parece que volta tudo e que não houve a pausa de tantos meses. O sentimento ficou intacto”, diz. A atriz também comenta a reviravolta da história de Penha na trama. “Em algum momento, lá no início, a Manuela (Dias) nos disse que o Belizário e a Penha ainda iriam se “pegar”. O Tuca (Andrada) e eu ficamos nos perguntando como essas histórias iriam se cruzar. Nunca imaginei que a Penha teria essa trajetória tão bandida. Ela se apaixonou e se perdeu um pouco. Mas tem muita coisa para acontecer, a Penha ainda pode surpreender nesta segunda fase”, afirma Clarissa, fazendo mistério.

Vitória (Taís Araujo), depois de realizar triplamente o sonho da maternidade, traça novos rumos para sua carreira profissional. “Eu achava que a história da Vitória já tinha acabado praticamente, porque ela já estava com os filhos e já tinha encontrado o amor ao lado do Raul (Murilo Benício). Parecia final de novela. Mas, quando chegaram os capítulos novos, fui me surpreendendo. A Manuela tirou coisas da cartola, refazendo conexões de tramas que eu achei que tinham acabado”, revela Taís, que também fala sobre o que aprendeu com sua personagem. “A maternidade foi muito transformadora para a Vitória. Aprendi que os filhos nos ensinam demais e que temos que olhar para eles com muito respeito e muita gratidão. Se tem alguém capaz de mudar a vida de uma pessoa, tanto a de uma mulher quanto a de um homem, são os filhos”.

Murilo Benício também comenta as lições que leva de seu personagem. “O Raul tem uma coisa que estamos vivendo demais atualmente: ele poderia ser cancelado a qualquer momento, porque ele era completamente machista. Ao mesmo tempo, ele estava aberto a aprender. Lembro de falas que ponderávamos, antes de gravar, se seria melhor serem suavizadas. Eu falava para fazermos do jeito que estavam, com a possibilidade de ele aprender. Vivemos uma cultura machista, mas estamos aprendendo. Eu me via muito parecido com ele, nesse aspecto de ir aprendendo conforme vamos errando”, pontua.

Enrique Diaz, que dá vida a Durval, assim como Murilo, conta que aprendeu com seu personagem o tempo todo. “A convivência com o Durval e com todas as pessoas com quem ele convive me ensinaram muito. Tem um lugar do afeto na novela que é presente de uma maneira muito forte e muito cheia de nuances”. Enrique também avalia os conflitos do personagem. “Acho que tem um jogo entre esse jeito de agradar o mundo, por um lado, e por outro tem a responsabilidade com a filha, o casamento, que são um nó na história dele. É interessante esse jogo entre ele ser meio fofo e ao mesmo tempo ter uma culpa, um problema”.

Já Chay Suede ressalta a maior qualidade que vê em Danilo, o alvo da disputa entre Lurdes e Thelma. “O que ficou muito marcado em mim é que o Danilo tem uma predisposição a servir. Ele é muito útil para quem está em torno dele e quer sempre ser uma possibilidade de ajuda. Isso tem a ver, claro, com a vulnerabilidade dele, de estar tentando encontrar o lugar que ele ocupa no mundo e na vida das pessoas que o cercam, e tem a ver com uma baixa autoestima também. Mas eu achei muito bonita essa qualidade. Vejo uma beleza muito grande nisso de servir quem está em torno: a família, a mãe, a namorada, quem quer que seja”.

Malu Galli, que volta com sua Lídia, fala sobre como a força da mulher dentro da narrativa contribui na trajetória da personagem. “Tem a questão da sororidade, do apoio mútuo, desse olhar para nós mesmas que mudou ao longo dos últimos anos, deixando de ser competitivo. A história da Lídia fala muito disso. Acho que ela começou afastada da essência dela, muito em colapso, e aos poucos vai entrando em contato com essa essência e também em contato com as outras mulheres. Vai chegando uma rede de proteção. Isso é uma coisa imprescindível que está acontecendo no mundo e acredito que a tendência é crescer cada vez mais”.

A novela, criada e escrita por Manuela Dias, conta com a colaboração de Roberto Vitorino, Mariana Mesquita e Walter Daguerre, e supervisão de Ricardo Linhares. A direção artística é de José Luiz Villamarim, com direção de Walter Carvalho, Noa Bressane, Philippe Barcinski, Isabella Teixeira, Fellipe Barbosa e Kiko Marques.

#TBT ‘Amor de Mãe’
Quantas vezes a Vitória só falou verdades? E a Thelma foi protetora com Danilo? E quantas vezes Lurdes foi igual à sua mãe? A TV Globo preparou um material em vídeo com cenas da primeira fase de ‘Amor de Mãe’ que mostram cinco vezes que confirmam as frases anteriores sobre as personagens. Vem assistir?!
Anderson Ramos

Um site sobre TV paga com as principais noticias envolvendo o setor, e suas principais operadoras. Além das novidades dos canais e streamings! facebook twitter instagram

Postar um comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem