Jogos Olímpicos de Tóquio: Globo apresenta pesquisa inédita sobre a expectativa dos brasileiros para o evento e destaca os detalhes da sua cobertura

Reprodução

Depois de ser adiado no ano passado em virtude da pandemia, os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 ganharam um novo peso no cenário atual, seja pelo contexto em que se realiza, pela multiplicidade de significados que carrega ou pela própria expectativa do público. Para pautar todos os detalhes que envolvem a atmosfera desse grande espetáculo do esporte, nesta quarta-feira, 28, a Globo reuniu um time de especialistas em um evento destinado a agências e anunciantes. 

A jornalista e apresentadora Carol Barcellos conduziu o evento e as interações com os convidados. Ao colocar o esporte em perspectiva, como um dos vetores de transformação e impacto na sociedade, Carol trocou reflexões e abriu espaço no palco para Carlos Gil. Correspondente em Tóquio há três anos, ele acompanhou de perto a jornada olímpica que segue transformando a capital japonesa, e integrará a equipe do Esporte da Globo que vai contar as histórias de brasileiros e de ídolos internacionais nas competições. O narrador Galvão Bueno, dono de uma das maiores vozes do esporte brasileiro, também se juntou ao time para ilustrar a expectativa de quem tem a missão e a responsabilidade de traduzir para o público a emoção das disputas. Assim como a maior 'cestinha' da seleção brasileira feminina de basquete, Hortência, que será uma das comentarista das transmissões olímpicas da Globo. Além de relembrar momentos marcantes, a medalhista de prata nos Jogos de Atlanta-1996 destacou a força das mulheres esportistas e a luta pela igualdade de gênero no esporte.  

Ao trazer o mundo do esporte para o viés de mercado e do potencial econômico, a diretora de Negócios Integrados em Publicidade, Manzar Feres,  apresentou oportunidades que as marcas podem encontrar nos Jogos Olímpicos. O evento segue sendo um verdadeiro modelo de excelência, mesmo em meio aos desafios da atual edição. Nesse sentido, a diretora de Eventos Esportivos, Joana Thimoteo, e Renato Ribeiro, diretor de conteúdo do Esporte, detalharam o que o público e o mercado podem esperar da cobertura da Globo que, neste ano, deve reunir mais de 11 mil atletas de mais de 200 países. 

“É muito interessante pensar nos Jogos Olímpicos como um evento com o potencial de marcar as nossas vidas e de emocionar todo o país. E, nesse ano, refletimos também sobre como as Olimpíadas vão impactar o mercado. Afinal, quantos momentos marcantes foram eternizados nos Jogos Olímpicos? Por isso, acreditamos que o período vai ser uma celebração da união entre os povos e, principalmente, que vai levar um pouco de fôlego para os brasileiros. Essa é a oportunidade de despertarmos o melhor de nós, juntos. Já estamos no aquecimento dos Jogos na TV Globo, no SporTV, no GE, no Globoplay e, queremos que as marcas e as agências contem conosco para que possam se juntar a todo esse conteúdo, fazendo com que o propósito e os valores de cada anunciante sejam realmente potencializados. Tudo isso usando cada minuto das nossas transmissões e das conversas que serão geradas com o público ao longo de nossa programação, em todas as nossas janelas”, explicou Manzar Feres, diretora de Negócios Integrados em Publicidade da Globo. 

“Tivemos que reestruturar nosso planejamento e construir um novo desenho de cobertura, que cumprisse a missão de encarar a pandemia e valorizar esse evento, que é tão importante para nós. Os Jogos Olímpicos carregam um grande simbolismo, e o deste ano, em especial, será extremamente simbólico. Do lado da Globo, estamos fazendo a maior oferta possível para quem está em casa. O público poderá acompanhar cerca de 12 horas por dia de Olimpíadas na TV Globo e 4 canais no SporTV dedicados à essa cobertura. Também vamos oferecer 45 sinais no Globoplay + canais ao vivo e no nosso ambiente GE, como um todo, vamos trazer tudo que temos de melhor e mais quente. Além disso, teremos um estúdio 270°, diferente, disruptivo e inovador, permitindo embarcar a atmosfera de Tóquio nos Estúdios Globos”, explica Joana Thimoteo, diretora de Eventos Esportivos da Globo. 

Além de abrir as portas para o mercado conhecer um pouco mais sobre a cobertura e as oportunidades que circundam as Olimpíadas, o bate-papo contou com a participação do presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, e do CMO do Bradesco, Márcio Parizotto. O debate ainda trouxe à tona uma importante reflexão sobre a expectativa dos brasileiros com a realização dos Jogos. Reflexão pautada por dados de uma pesquisa inédita da Globo, que ouviu, no começo deste mês, mais de 1600 pessoas, de todas as classes sociais e regiões do país. 

De acordo com o levantamento, apresentado por Flávia Toledo, gerente de Consumer & Market Insights, o momento olímpico vem carregado de expectativa e otimismo. Isso porque 91% das pessoas pretendem acompanhar a competição, e 73% das pessoas acreditam que, após um ano tão difícil, ver um evento como esse sendo realizado é um sinal de esperança e de que dias melhores estão mais próximos.  

Com a competição tomando forma, levando em conta os protocolos de segurança e os esforços necessários em meio à crise sanitária internacional que ainda enfrentamos, conceitos importantes começam a voltar ao imaginário coletivo. O estudo revelou que entre as palavras que melhor descrevem o significado dos Jogos para o público estão a emoção (53%), a superação (50%) e a torcida (50%), seguidas por entretenimento (44%), disputa (43%) e tradição (43%). Além disso, a competição – considerada um dos maiores eventos do mundo – é um momento importante de incentivo ao consumo de esportes, inclusive pela oportunidade de acompanhar atletas e diferentes modalidades – elemento apontado por 88% das pessoas, quando questionadas sobre a razão pela qual gostam dos Jogos Olímpicos. 

Já no quesito ‘esportes favoritos’, a paixão nacional pelo futebol levou a modalidade ao topo do ranking para 52% dos entrevistados, seguido por outros esportes coletivos e individuais como voleibol (43%), natação (41%), vôlei de praia (39%), ginástica artística (33%), basquete (29%) e ginástica rítmica (29%). 

Inspiração e diversidade

Outro destaque da pesquisa é o fator de engajamento dos Jogos, uma vez que, para 89%, os atletas e suas histórias de superação são uma inspiração para quem está do outro lado das telas. Do mesmo modo, para 84% e 82%, respectivamente, o evento tem papel fundamental na união entre povos e na ampliação da sua visão de mundo, permitindo conhecer outras culturas. 

Nesse sentido, o posicionamento dos respondentes corrobora a oportunidade de dar luz a assuntos essenciais, entendendo o esporte como uma ferramenta de inclusão e cidadania. Na ótica da igualdade de gênero, por exemplo, 56% revelam que ter competições disputadas por mulheres é um passo importante nessa luta. Ao mesmo tempo, somente 55% apontam as partidas femininas como tão importantes quanto as masculinas. Na outra ponta, há ainda os Jogos Paralímpicos, marcados para agosto. A ocasião também chama a atenção dos amantes desportivos, uma vez que 86% das pessoas revelaram que pretendem acompanhar as Paralimpíadas em 2021. 

O interesse dos jovens

Os jovens não ficam de fora. A pesquisa revelou uma perspectiva muito positiva em relação às novas modalidades olímpicas, visto que os Jogos são fontes de descoberta para novos esportes, em especial para esse público. Os entrevistados acreditam que as categorias ingressantes (como skate e surfe) podem captar o interesse da audiência mais jovem (84%) e atrair pessoas para acompanhar as Olimpíadas pela primeira vez (81%). 

Além disso, a probabilidade de resultados positivos para o Brasil é alta, o que leva 81% das pessoas a confiarem que os atletas brasileiros terão chance de medalha nesses esportes. Percentual importante para o futuro dessas categoriais que, para além do desafio de dar suporte aos desportistas brasileiros de alto rendimento, também carrega a missão de inspirar os que estão chegando.

Por dentro da cobertura da Globo

Com o contexto de pandemia e isolamento social, 70% das pessoas assinalaram que poder acompanhar a transmissão das Olimpíadas vai ser ainda mais interessante. Inclusive, pela cobertura da Globo, citada por 82% como preferência para assistir ao evento. Escolha associada às fortalezas da empresa, seja pela qualidade de transmissão (60%) e da cobertura jornalística (50%), pela extensa cobertura das competições com atletas brasileiros (48%) e variedade das modalidades transmitidas (42%), e ainda pelo grande potencial em mobilizar os brasileiros (27%). 

Nesse sentido, a estratégia da Globo vai de encontro a esse anseio, oferecendo a maior cobertura olímpica, com uma transmissão completa, com o melhor elenco, e nas múltiplas janelas e plataformas da casa. Um trabalho atento que acompanha também as demandas de conteúdo que o público mais aprecia, como as competições ao vivo (72%), os melhores momentos (55%), as histórias de vida dos atletas (55%), além das notícias (41%) e bastidores do evento (31%). 

O 'ganha-ganha' para as marcas

A conjuntura delineada pela chegada dos Jogos Olímpicos se concretiza, por fim, em oportunidade de aproximação com os consumidores. 80% das pessoas ouvidas pela Globo indicaram um aumento na preferência por comprar ou consumir produtos e serviços das marcas que investem no evento, e 83% atrelam a essas marcas uma chancela de credibilidade. Outro destaque está na valorização desses parceiros pelo apoio a conteúdos que entregam entretenimento para o público: 49% citaram alguma marca que lembram estar presente em eventos anteriores (Olímpicos e Paralímpicos) e 68% valorizam as empresas que estão presentes nas Paralimpíadas, passando também a recomendá-las (65%). 

Ao mesmo tempo, 86% dos entrevistados consideram que o seu nível de envolvimento com as Olimpíadas depende diretamente da cobertura e da qualidade de transmissão. E para a experiência ficar ainda melhor, 44% pensam em fazer alguma melhoria na casa. Entre as opções estão aumentar a velocidade da internet (46%), adquirir um novo aparelho televisor ou Smart TV (30%), ou mesmo contratar algum serviço de TV por assinatura (28%) ou streaming (26%).  

E para quem assiste às competições, a rotina também pede a companhia dos comes e bebes. Nesse período, 44% afirmam que desejam comprar algum alimento e/ou bebida para consumir, 32% devem pedir delivery em restaurantes e 30% planejam cozinhar algo diferente para a ocasião. 

Com tantas variáveis nessa conta, a certeza que fica é que a expectativa para a realização dos Jogos Olímpicos seguirá alta. E que essa será mais uma chance de eternizar momentos olímpicos na memória de todos os envolvidos com o evento. Como diria Galvão Bueno: “Haja coração!”. 
Anderson Ramos

Um site sobre TV paga com as principais noticias envolvendo o setor, e suas principais operadoras. Além das novidades dos canais e streamings! facebook twitter instagram

Postar um comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem