Luiz Henrique Rios e Claudia Souto celebram edição especial de 'Pega Pega'

Divulgação Globo/Mauricio Fidalgo e Paulo Belote

Foi na pracinha onde a autora Claudia Souto brincava quando criança que os ladrões dos 40 milhões de dólares de 'Pega Pega' planejaram o assalto contra Pedrinho Guimarães (Marcos Caruso). Não à toa, mais uma semelhança entre a vida da autora e a novela, com parte de sua história ambientada na Tijuca, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro em que Claudia morou durante sua infância. Exibida pela primeira vez em 2017, a comédia romântica policial retorna à TV Globo em edição especial a partir do dia 19 de julho. 
  
“Essa novela é muito de mim, porque como foi minha primeira novela eu quis estar bem próxima de coisas que eu conhecia. Ela é ambientada na Tijuca, onde eu nasci. Os ladrões bolam o plano na pracinha onde eu brincava na infância. A escola onde estudei ainda está lá, inclusive os atores foram até a escola nas gravações para falar com as crianças. São coisas que eu conhecia, junto com uma paixão que tenho, adoro hotel. Adoro o ambiente do hotel, o staff, o dia a dia, sempre que viajo eu fico prestando atenção. Na minha primeira novela, a primeira história que quis contar é sobre ética, porque acho que é uma coisa que temos que estar sempre discutindo e cada vez mais no nosso país”, revela Claudia. 
  
Embora celebre 29 anos na Globo em 2021, como diz acima, ‘Pega Pega’ foi a primeira novela que escreveu enquanto autora. Sua trajetória, porém, é longa. “Já fiz de tudo, de reality show a humor, de infantil a institucional, de drama a comédia”, comenta Claudia, que não esconde a alegria de ter a chance de assistir à história novamente. “Eu amo demais esse elenco, esses personagens e essa trama que levou tanto tempo para ir ao ar. Alguns anos se passaram desde que entreguei a sinopse até que ela fosse exibida. Saber sobre a edição especial foi uma surpresa, é como reencontrar velhos amigos no ar”. 
  
Seu parceiro na obra, o diretor artístico Luiz Henrique Rios, compartilha do mesmo sentimento de carinho e alegria por revisitar este trabalho. “Uma das principais lembranças que eu tenho é o prazer que foi realizá-lo. Era uma história sempre instigante, com uma necessidade de encontrar um lugar de elegância e de popularidade, um lugar de romance e comédia, um lugar de suspense, um lugar policial. Foi uma novela muito especial”, comenta o diretor. 
  
Ele lembra ainda que a sinopse tinha muitos enigmas que ninguém sabia, então precisou combinar com os artistas que só contaria os segredos individualmente. “Todos saberiam os seus segredos, mas ninguém podia contá-los para mais ninguém. Ao mesmo tempo, combinamos entre os diretores que todas as cenas tinham que ser cenas que poderiam ser o comercial ou o fim do capítulo, de tal maneira que criássemos uma certa suspensão de expectativa e, também, um mistério para poder construir essa estrutura policial que acontecia, mas que não era tão clara. Isso exigia um planejamento da Claudia absurdo. E, da minha parte, exigia um tom, e o tom foi esse, o do segredo”, reflete Luiz Henrique. 
  
A comédia, o romance e os segredos poderão ser desvendados a partir de 19 de julho, na estreia da edição especial da novela. Enquanto isso, saiba mais dos bastidores nessas entrevistas exclusivas com aurora e diretor artístico de ‘Pega Pega’. 
  
Entrevista Claudia Souto 
  
Como foi receber a notícia de que a novela ganha exibição especial? 
Nossa, é uma mistura de emoções, porque é uma alegria imensa rever esses personagens na interpretação desses atores que eu amo. Na concepção artística do Luiz, foi um casamento de ideias e realizações muito feliz. Chamamos de comédia elegante, era popular, mas era elegante ao mesmo tempo. É uma alegria que não achava que ia sentir tanto nesse momento que estamos vivendo. 
  
‘Pega Pega’ é sua primeira novela de autoria própria, como descrevê-la e qual o significado dela para você? 
Esse ano estou fazendo 29 anos de Globo. Quando ‘Pega Pega’ estreou eu dizia que era a estreia de uma veterana, porque em televisão já fiz de tudo, de reality show a humor, de infantil a institucional, de drama a comédia. E ‘Pega Pega’ foi meu primeiro trabalho de expressão própria. Até ‘Pega Pega’ eu não sabia quem era a autora Claudia, quem é essa Claudia Souto que quer tanto colocar uma novela no ar depois de colaborar muitos anos com outros autores tão importantes. ‘Pega Pega’ é muito de mim, porque como foi minha primeira novela eu quis estar bem próxima de coisas que eu conhecia. Ela é ambientada na Tijuca, onde eu nasci. Os ladrões bolam o plano na pracinha onde eu brincava na infância. A escola onde estudei ainda está lá, inclusive os atores foram até a escola nas gravações para falar com as crianças. São coisas que eu conhecia, junto com uma paixão que tenho, adoro hotel. Adoro o ambiente do hotel, o staff, o dia a dia, sempre que viajo eu fico prestando atenção. Na minha primeira novela, a primeira história que quis contar é sobre ética, porque acho que é uma coisa que temos que estar sempre discutindo e cada vez mais no nosso país.  
  
‘Pega Pega’ é uma trama atemporal e trata de assuntos éticos com uma pitada de humor. Como acha que será a reação do público ao rever esta obra? 
Eu chamo o horário das sete de “horário despressurizador do dia”. Então, os assuntos são tratados de maneira mais leve, mas existem assuntos sérios dentro da novela. Um deles, e o principal, é a ética, mas a ética das pessoas comuns, porque estamos sempre discutindo a ética do psicopata, do bandido, do ladrão de carreira. E eu quis discutir a ética das pessoas comuns, ou seja, é um garçom, uma arrumadeira, um concierge e um recepcionista que simplesmente se veem na possibilidade, na oportunidade de passar a mão numa grana violenta. De um cara que também não é tão ético assim, está saindo do país e quer dar uma banana no imposto de renda. A venda do hotel também foi para um cara que tem uma coisa dúbia na vida dele, ele é um cara legal ou não? Ele faz uns negócios que às vezes parece que ele está indo por um lado duvidoso, mas diz que foi enganado. Quem é de verdade ético nessa situação toda? E aí as pessoas comuns, esses quatro, sucumbem à tentação de passar a mão na grana que está disponível ali com alguma dificuldade de ser pega, mas pegam tendo a sorte como cúmplice. 
    
Entrevista Luiz Henrique Rios 
  
Como foi receber a notícia de que 'Pega Pega' ganha exibição especial? 
Foi delicioso saber que ‘Pega Pega’ vai ser reexibida. É uma novela que me deu um prazer imenso fazer e que poder assistir novamente, junto com todo o público, e ver como ela vai ser recebida e de que maneira essa comédia policial vai inspirar ou acolher as pessoas agora, me deixa muito feliz. E também um pouco ansioso. 
  
O que você destacaria na trama? 
Acho que optamos, tanto eu quanto a Claudia, de fazer uma novela que tinha uma marca mais de comédia do que de esquete. A história tinha uma dinâmica e fizemos um tratamento bem leve. Eu falava desde o início que era uma novela que tinha uma dificuldade muito grande de ser feita porque ela tinha três pilares: eu tenho que fazer uma comédia, ela tem que ser romântica, e tem que ter um traço policial. Então, já definíamos que o produto era uma comédia, todo mundo tinha um certo tom um pouquinho torto para poder chegar aqui. Ela tinha que ser romântica, então tudo tinha que ter um viés de um lugar de envolvimento. E ela tinha que ter um suspense. Foi muito interessante que, logo no início, a Claudia tinha uma sinopse secreta, porque a novela tinha milhões de segredos que quando começamos a fazer, ninguém sabia. Combinei com os atores que eu só contaria os segredos para cada um. Todos saberiam os seus segredos, mas ninguém podia contá-los para mais ninguém. Ao mesmo tempo, combinamos entre os diretores que todas as cenas tinham que ser cenas que poderiam ser o comercial ou o fim do capítulo, de tal maneira que criássemos uma certa suspensão de expectativa e, também, um mistério para poder construir essa estrutura policial que acontecia, mas que não era tão clara. Isso exigia um planejamento da Claudia absurdo. E, da minha parte, exigia um tom, e o tom foi esse, o do segredo. 
 
‘Pega Pega’ é uma trama atemporal e trata de assuntos éticos com uma pitada de humor. Em sua opinião, qual papel tem a comédia para a população em momentos como o que estamos vivendo? Como acha que será a reação do público ao rever esta obra? 
Acho que a comédia permite que eu fale de coisas que são muito complexas de uma maneira mais empática. Na medida em que eu quebro isso e transformo em uma coisa mais leve, um comentário do comentário, eu acredito que o outro se aproprie desse conceito, desse conteúdo de uma maneira mais tranquila. Sem tanta resistência. Essa é uma novela sobre questões éticas e acho que o grande lance que a Claudia Souto conseguiu foi fazer isso sob o ponto de vista de cada indivíduo. Temos sempre uma questão sobre a questão da ética em larga escala, para o outro, mas assim, a questão é quando você está no meio da parada, como você se sai nesse negócio? De alguma maneira, muitas vezes, você é envolvido em situações que acha que pode se isentar, e eticamente você nunca vai poder se isentar de nada. Você sempre terá um compromisso, sempre está comprometido. Então acho que essa foi a conversa que colocamos ali. Eu acho que a novela vai funcionar muito, primeiro porque acho ela muito bonita. Ela tem esse lugar de uma conversa sobre cada um, que é uma conversa que vai ser para sempre, porque não é este ou aquele modelo ético, é a ética. Aquilo que define você e aquilo que você acredita. Então acho que isso sempre estará ali. E acho que pelo fato dela ser uma comédia, tenderá de novo a poder ser um lugar de alívio, um momento de respiro no meio desse caos, dessa tragédia, dessa situação insuportável. 
  
Você gosta de revisitar e rever seus trabalhos? 
Gosto muito de rever meus trabalhos, mas fico muito crítico sobre os trabalhos que eu fiz. Eu tenho que colocar isso em uma perspectiva que já aconteceu, aí viro espectador e me divirto, porque se eu for ficar prestando atenção tem horas que eu sofro um pouco.  Mas é muito bom, eu estou muito feliz, é meu terceiro trabalho que estão reexibindo. Teve ‘Totalmente Demais’, está em reexibição ‘Malhação Sonhos’, e vai estrear ‘Pega Pega’. Óbvio que estou em um momento muito orgulhoso do meu trabalho, das minhas parcerias e muito feliz de poder ter essa oportunidade. 
  
'Pega Pega' é escrita por Claudia Souto, com direção artística de Luiz Henrique Rios, direção de Ana Paula Guimarães, Dayse Amaral Dias, Luis Felipe Sá, Noa Bressane, e direção geral de Marcus Figueiredo. A novela conta no elenco as saudosas Nicette Bruno e Camila Amado, Marcos Caruso, Camila Queiroz, Mateus Solano, Vanessa Giácomo, Thiago Martins, Marcelo Serrado, Mariana Santos, Nanda Costa, João Baldasserini, Elizabeth Savalla, Irene Ravache, Milton Gonçalves, Reginaldo Faria, Angela Vieira, Rodrigo Fagundes, Guilherme Weber, Ícaro Silva, Virgínia Rosa, Valentina Herszage, Jaffar Bambirra, Danton Mello, Dani Barros, Julia Lund, Paulinho Vilhena, Alessandro Brandão, Gabriel Sanches, David Junior, Bruna Spínola, Jeniffer Nascimento, entre outros. 
Anderson Ramos

Um site sobre TV paga com as principais noticias envolvendo o setor, e suas principais operadoras. Além das novidades dos canais e streamings! facebook twitter instagram

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV. OBS: Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem