Caminhos da Reportagem revela sonho paralímpico de veteranos e estreantes nos Jogos

Divulgação

A edição inédita do programa Caminhos da Reportagem revela as histórias de atletas veteranos e estreantes de diversas modalidades do movimento paralímpico nacional neste domingo (22), às 20h, na TV Brasil.

A produção destaca o papel do evento na promoção de valores além do esporte, contribuindo para a inclusão e a transformação social. A matéria especial ainda traça um panorama sobre as expectativas do desempenho do país nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

Os competidores contam suas trajetórias e sonhos paralímpicos para a repórter Carla Maia. Entre os convidados estão nomes consagrados como o nadador Daniel Dias, o velocista Petrúcio Ferreira e o judoca Antônio Tenório. O trio é inspiração para as futuras gerações de atletas do país.

A atração jornalística da emissora pública também traz entrevistas com novos talentos do esporte paralímpico brasileiro. A produção conversa com Wendell Belarmino, da natação, e Débora Menezes, do parataekwondo, modalidade que estreia no Japão

Sem exceção, eles destacam o esporte como fator de inclusão e transformação. Criada em 1960, a Paralimpíada é o maior evento do mundo que reúne pessoas com deficiência. Elas representam 15% da população mundial segundo a Organização Mundial de Saúde.

O Brasil leva ao Japão a maior delegação em Jogos Paralímpicos fora de casa. De 24 de agosto a 5 de setembro, 260 atletas, sendo 194 homens e 96 mulheres, vão perseguir a meta do Comitê Paralímpico Brasileiro de manter o país entre os dez primeiros no ranking de medalhas.

Ídolos relatam histórias de vida inspiradoras

Petrúcio Ferreira, hoje o velocista mais rápido do mundo no desporto paralímpico, faz questão de homenagear a Paraíba, seu estado de origem, a cada conquista. Ele diz que aprendeu desde cedo, ao observar a lida dos pais na roça, em São José do Brejo do Cruz, a ir atrás dos seus sonhos.

"Meus pais sempre me passaram que eu poderia ser uma pessoa eficiente, nunca desistir dos objetivos, nunca tirar o sorriso do rosto por mais difícil que tenha sido o nosso dia", lembra Petrúcio durante o bate-papo.

O judoca Antônio Tenório, com 50 anos, subiu ao pódio em todos os Jogos Paralímpicos que disputou. Desta vez chegou a pensar que estaria fora das competições depois de ter passado duas semanas numa UTI por complicações da Covid-19.

Apesar disso, o campeão deu a volta por cima e foi o primeiro atleta da delegação a ser vacinado antes de carimbar o passaporte para o Japão. "O momento desse evento vai ser muito importante para a humanidade se reafirmar e falar, estamos aqui e estamos lutando unidos contra esse vírus”, opina Tenório.

Treinar em meio a pandemia exigiu criatividade. Quando o Centro de Treinamento do Comitê Paralímpico Brasileiro, em São Paulo, fechou as portas no ano passado, o jogador de futebol de 5, Nonato, escalou a mulher e as cunhadas no campinho improvisado em Orocó, em Pernambuco.

Já a mesa-tenista Jennyfer Parinos jogou com o namorado na sala de casa e precisou lutar até a última hora por uma vaga em Tóquio. Ela encarou adversárias que nunca tinha vencido na última seletiva da modalidade e diz que saiu mais forte dessa experiência.

Para o Brasil, estes Jogos vão ser marcados pela despedida de um ídolo. O maior medalhista paralímpico do país, Daniel Dias, anunciou que vai deixar as piscinas quando voltar do Japão. Um dos motivos que o levaram à aposentadoria é a mudança na classificação da natação paralímpica, que torna mais difícil pra ele a conquista de medalhas.

Segundo o presidente do Comitê Paralímpico Internacional, o brasileiro Andrew Parsons, o novo sistema foi definido e aprovado pelos representantes dos países que participam da natação paralímpica.  Mas Daniel afirma que não vai desanimar em Tóquio e quer mostrar sua melhor versão.

"Eu já tenho sido muito grato por tudo o que conquistei, por tudo o que vivi. E ali vai ser a cereja do bolo porque o bolo já tá construído. Vem a cereja pra encerrar uma bela de uma carreira", avalia, com otimismo, Daniel Dias.

Inspirada pelo veterano e por outros destaques das Paralímpíadas, vem aí uma nova geração. O nadador Wendell Belarmino é um dos 87 atletas estreantes na delegação brasileira. O brasiliense é também uma das promessas de pódio pelo rendimento nos últimos mundiais. Ele diz que o seu maior objetivo é inspirar pessoas e estimular novos atletas exatamente como faz Daniel Dias.

Outra atleta que vai participar pela primeira vez dos Jogos Paralímpicos é Débora Menezes, do parataekwondo,  modalidade que entra na disputa por medalhas no Japão. Ela diz que trabalha pela "douradinha" todos os dias e quer mostrar ao mundo como o esporte abre caminhos para a conquista de sonhos.
Anderson Ramos

Um site sobre TV paga com as principais noticias envolvendo o setor, e suas principais operadoras. Além das novidades dos canais e streamings! facebook twitter instagram

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV. OBS: Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem