Em 'Pantanal', Tenório contrata matador

Divulgação Globo/Fábio Rocha

Tenório (Murilo Benício) está cada vez mais incomodado com o vizinho, José Leôncio (Marcos Palmeira), ainda mais depois que este deu abrigo à Maria (Isabel Teixeira) e a orientou sobre seus direitos no processo de divórcio. O ódio que o grileiro sente é tão grande que ele contrata um matador para dar fim à ex-mulher, Alcides (Juliano Cazarré), Zé Leôncio, Jove (Jesuita Barbosa), Tadeu (José Loreto) e José Lucas (Irandhir Santos). Essa é a lista que entrega a Solano (Rafael SIeg), que chega ao Pantanal pela chalana de Eugênio (Almir Sater) e vai à casa de Tenório se passando por peão em busca de emprego, enganando direitinho seus filhos e Zuleica (Aline Borges). As cenas vão ao ar a partir desta segunda-feira, 5 de setembro.
 
Surpreendendo até mesmo o pai de Guta (Julia Dalavia), que encomenda os crimes, nas primeiras horas na região, ele já atira em José Lucas (Irandhir Santos) e acredita tê-lo matado, considerando o local do ferimento. A bala acerta em cheio o peito do peão. Para desespero de Zé Leôncio, o filho mais velho desaparece logo depois que eles discutem mais uma vez sobre política. Zé Lucas deixa a fazenda do pai bastante ofendido com suas palavras, ditas num momento raro de confraternização com todos à mesa na cozinha de Filó (Dira Paes). O atentado marca o início de tempos difíceis para os Leôncio. 
 
Rafa Sieg, que esteve no Pantanal há alguns meses para gravar suas primeiras cenas como Solano, e continua gravando com o elenco no Rio de Janeiro, tinha 11 anos quando a primeira versão da novela foi exibida e guarda lembranças familiares especiais. “Eu morava na casa dos meus avós maternos, no interior do Rio Grande do Sul. Como muitos da minha geração, nos anos 1980/1990, cresci na frente da televisão. Eu lembro exatamente da imagem do meu avô, que se chamava Werner, sentado no canto do sofá com as pernas estendidas numa banqueta, assistindo à novela todos os dias. Ele era muito noveleiro. Lembro das imagens, dos personagens e do tempo dilatado daquela natureza na televisão e de como tudo parava na hora da novela. O sobrenome que eu assino artisticamente, o Sieg, é o deste avô. Não sei dizer exatamente o quanto isso me influenciou, mas hoje eu me sinto especialmente presenteado com a oportunidade de estar em ‘Pantanal’ e dedico a esse meu avô o meu trabalho”. Na entrevista abaixo, Rafa comenta sua participação na novela, fala sobre os bastidores e seu personagem.
 
Entrevista com Rafa Sieg
 
Como foi receber a notícia de que estaria na novela?
Sem dúvida, um chamado especial, em um dia especial também. Eu estava  filmando “Nosso Lar 2” quando recebi o convite do diretor Gustavo Fernandéz, com quem já havia trabalhado em ‘Avenida Brasil’, ‘Além do Horizonte’ e ‘Órfãos da Terra’. Um dia que havia começado muito cedo para mim, onde eu vi o dia amanhecer do Alto da Boa Vista, numa conexão profunda com a natureza. E receber esse chamado para uma novela tão incrível, que fala exatamente dessa conexão e de seus infinitos laços em nossas vidas me emocionou muito.
 
Como foi a preparação para dar vida a Solano?
Uma transição vertiginosa. Eu estava fazendo um filme que se passava nos anos 1940 e da noite para o dia, literalmente, embarquei nessa viagem de sete horas Pantanal a dentro. Obviamente, antes disso, eu já havia estudado os capítulos, mas sabia que meu corpo e ritmo interno precisavam ser alterados para o que iria fazer a partir de então. A partir disso, passei a usar a própria viagem ao Pantanal – comendo poeira, abrindo porteira, observando pessoas e a paisagem ao meu redor mudando –, como os elementos primários mais importantes nessa preparação. Abandonar o que estava ficando para trás e me conectar com essa natureza, por vezes árida também, fluida, de horizonte amplo, de águas escuras e cheia de mistérios, como Solano.
 
Poderia nos contar sobre a experiência de gravar no Pantanal?
Eu não conhecia o Pantanal. E, além desse contato com a natureza pulsante do lugar, foi o meu primeiro contato com o elenco e equipe. Um time que já estava jogando junto há meses,  fazendo um trabalho admirado por todos, inclusive por mim, que já estava assistindo à novela em casa. E fui recebido de braços abertos. Reencontrar o Marcos Palmeira, com quem já havia trabalhado em “Mandrake”, um grande anfitrião desse projeto e do próprio Pantanal, e o carinho dos demais, marcou minha chegada. Tive dois dias de preparação antes de começar a gravar. Fiquei 15 dias no Pantanal. E mesmo percebendo e ouvindo de todos que a paisagem naquele momento não era mais a mesma de quando eles haviam estado ali no ano passado, e muito menos de 30 anos atrás, por conta da seca, da devastação ambiental na Amazônia e que se reflete tristemente no Pantanal de hoje, ainda assim é deslumbrante. A força e a harmonia que existem naquele lugar são presente divino. Fui presenteado várias vezes com um pôr do sol deslumbrante, noites estreladas, contato com as águas e a força da natureza. A primeira cena que gravei foi na chalana, com o Almir Sater. Meu personagem chega por ali. E isso uniu vários aspectos positivos na minha apresentação. O tempo manso da chalana e do Almir colaboram nesse clima de mistério. E também o aspecto místico dessa pessoa incrível que é o Almir no Pantanal. Importante também foi gravar as últimas sequências do meu personagem com a Alanis e o diretor Davi Lacerda, na locação real. Na tapera. No Pantanal. Uma sequência que levamos três dias para concluir, numa energia alta e vibrante que me ajudou muito no desenho do personagem como um todo.
 
Quem é Solano? O que o público pode esperar de sua chegada?
Solano significa ‘Vento do Leste’. E quando esse vento sopra ele vem trazendo mudanças. O Solano é um matador profissional, contratado pelo Tenório e que está disfarçado de peão. Veste uma máscara para conseguir o que precisa. Vai buscar conquistar a confiança de todos e cumprir sua “missão” da maneira mais eficiente possível. Ele é como um urubu disfarçado de capivara. Eu penso que o público vai identificar nesse sujeito algumas figuras que, por vezes, aparecem e ninguém acredita que seriam capaz de cometer tantos crimes. Para alguns, até parece evidente, mas ele consegue enganar todos ao seu redor. De qualquer forma, a força da natureza terá seu papel determinante no final de Solano.
 
'Pantanal’ é escrita por Bruno Luperi, baseada na novela original escrita por Benedito Ruy Barbosa. A direção artística é de Rogério Gomes e Gustavo Fernandez, direção de Walter Carvalho, Davi Alves, Beta Richard, Cristiano Marques e Noa Bressane. A produção é de Luciana Monteiro e Andrea Kelly, e a direção de gênero é de José Luiz Villamarim.

O Universo da TV

O Universo da TV é o site perfeito para quem quer ficar por dentro das últimas novidades da TV. Aqui, você encontra notícias sobre TV paga, programação de TV, plataformas de streaming e muito mais. É o único site que oferece uma cobertura completa da TV, para que você nunca perca nada. facebook instagram twitter youtube

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato