Ad Code


Caminhos da Reportagem apresenta especial inédito sobre independência

Divulgação

Com uma edição temática sobre o bicentenário da independência do país, a TV Brasil volta a exibir conteúdos inéditos do programa Caminhos da Reportagem neste domingo (4), às 22h. Mais premiada produção da emissora pública, a atração jornalística pode ser conferida no app TV Brasil Play.

O especial que marca o reinício das matérias dominicais inéditas consulta especialistas para revelar o processo que culminou com a independência do Brasil. A pauta investiga a importância da participação de mulheres como Maria Quitéria e a futura Imperatriz Leopoldina nessa série de acontecimentos.

Alguns dos entrevistados desta semana no Caminhos da Reportagem são os historiadores Paulo Rezzutti, Lúcia Bastos e Mary del Priore. Os convidados desmistificam certas versões e esclarecem questões pouco conhecidas. Entre os aspectos históricos estão o grito da independência e a data oficial de comemoração.

A reportagem "Histórias da Independência" também destaca episódios curiosos e fatos pitorescos que ocorreram durante a conquista da autonomia do Brasil. O programa do canal público revela a faceta de músico de Dom Pedro I e resgata o envolvimento de personagens ingleses, como o Almirante Cochrane.

A atração mescla conteúdos realizados pela equipe da própria TV Brasil e materiais produzidos pela TV Feira, emissora afiliada que integra a Rede Nacional de Comunicação Pública (RNCP), gerida pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

"Histórias da Independência"

A historiadora Mary del Priore reflete sobre a dinâmica que levou à independência do Brasil durante o programa Caminhos da Reportagem. "A independência não foi um berro às margens do Ipiranga, mas todo um processo que só vai acabar com a conquista das províncias do norte, muitas guerras, muita gente morrendo fora do eixo Rio- São Paulo”, afirma a escritora.

Entre os destaques, o programa jornalístico da TV Brasil aponta e analisa algumas dessas histórias que marcaram o processo de independência do país, como a guerra na Bahia, que só aderiu ao império brasileiro em julho do ano seguinte.

"Nós temos o célebre brado do 'Independência ou morte', mas na verdade, na época, ninguém comentou o Sete de Setembro" conta Lúcia Bastos, historiadora e professora da UERJ, na entrevista que concedeu no Paço Imperial, espaço que guarda uma rica história com a Coroa Portuguesa e chegou a abrigar a família real.

A estudiosa explica a origem da repercussão. "Uns 20 dias depois, um jornal no Rio de Janeiro, 'O Espelho', faz um comentário do 'Independência ou morte', esse timbre que realmente se transformou numa espécie de símbolo da separação", sugere.

A produção da emissora pública detalha, ainda, que a data oficial de comemoração não era o 7 de setembro, mas sim, 12 de outubro. Naquela ocasião, Dom Pedro I foi aclamado imperador do Brasil, no Campo da Aclamação, que hoje é a Praça da República, localizada no centro do Rio de Janeiro.

Relevância feminina no contexto histórico

A antiga província da Bahia também se tornou palco para presenças femininas importantes, como a de Maria Quitéria, primeira mulher a integrar as Forças Armadas e que foi condecorada por Dom Pedro I como heroína.

A TV Feira foi até a sede do Memorial Maria Quitéria, em Feira de Santana (BA), cidade onde ela nasceu para contar parte dessa história. A professora e escritora Lélia Fernandes comenta a pertinência dessa personalidade histórica naquele momento do país.

O Caminhos da Reportagem aborda também a ação da futura Imperatriz Leopoldina nesse processo. "Quem está por trás do 'Fico' - decisão de Dom Pedro I em permanecer no Brasil - é a Leopoldina porque ela tem uma visão mais preparada do que ele", define o pesquisador e biógrafo Paulo Rezzutti.

"Ela vê que se Portugal continuasse reforçando essa questão de recolonizar o país, o Brasil logo estaria perdido para Portugal e também não era certeza de que a família continuasse no trono português porque aquele governo não ouvia o rei", pondera o entrevistado para a atração da TV Brasil.

Com reportagem e produção da jornalista Aline Beckstein, o programa ainda traz outras curiosidades daquele momento histórico. O jornalístico recorda a faceta musical de Dom Pedro I e a participação de personagens ingleses, como o Almirante Cochrane, no processo de independência do Brasil.

Postar um comentário

0 Comentários

Ad Code