'Histórias da Gente Brasileira': série inédita com apresentação de Mary del Priore vai falar do povo e seus costumes

A historiadora e escritora Mary del Priore em 'Histórias da Gente Brasileira' (Crédito: Divulgação/Curta!)

Baseada na coleção de livros homônima, a série inédita ''Histórias da Gente Brasileira'' estreia com exclusividade no Curta! e no CurtaOn – Clube de Documentários. Em 26 episódios apresentados pela historiadora Mary del Priore, autora das obras literárias, a produção se propõe a olhar através das entrelinhas do nosso passado para contar, de maneira diferente da historiografia oficial, a história do Brasil e falar de sua gente e de seus hábitos. Entres os temas comentados estarão ‘Selvagem, quem?”, ''Trabalho e açúcar'', ''Asseio'', ''Desejo'', ''Paladar'', ''Infância'' e ''Moléstias''.
 
Dirigida por Beca Furtado, a série se desenvolve de forma cronológica começando a partir da expedição de Pedro Álvares Cabral — portanto, na era colonial —, passando pelo Império e chegando até a República. Ao longo dos episódios, outros historiadores e demais especialistas, além de Del Priori, vão apresentando curiosidades, visões de mundo de outras épocas e reflexões; entre eles, Alberto Mussa, Luiz Antônio Simas, Rodrigo Faour e João Barone. Costurados, esses depoimentos desenvolvem a narrativa de cada episódio, ao lado de performances de atores que ajudam a ilustrar o que está sendo contado.
 
No primeiro episódio, intitulado “Colônia — Sobrevivência”, a história da gente brasileira é protagonizada pelos indígenas, em contraponto com uma historiografia que costuma colocá-los no posto de coadjuvantes. Del Priore confronta as noções de “descobrimento” versus “invasão”: “Os colonizadores sonhavam com riquezas (...), pedras preciosas, sedas, chás e especiarias. Imaginavam cidades de ouro e prata, mas temiam também só encontrar doença, fome e morte. Para os indígenas, se manterem vivos foi tarefa ainda mais árdua e luta necessária”. Os depoentes continuam a conduzir a reflexão: “Foi um tremendo impacto a médio prazo sobre as culturas tradicionais. Em prazo menor, foi uma tragédia demográfica por causa das gripes, da varíola...”, ressalta o historiador e professor Ronaldo Vainfas.
 
Além de falar sobre os primeiros anos de colonização, desde a chegada das primeiras caravelas até o trabalho de catequização feito pelos jesuítas, o episódio também mostra que o passado produz impactos no presente — formando, assim, a história da nossa gente. “Quando a gente vê alguns indígenas adentrando no mundo da política, a gente fica feliz de ver que agora, talvez, a gente consiga abrir a porta pelo lado de dentro. Porque até agora a gente teve que ficar batendo na porta pelo lado de fora, e quem estava do lado de dentro resolvendo se abre ou não é nosso inimigo”, reflete o escritor e ativista indígena Daniel Munduruku, como uma voz representante dos povos originários, profundamente afetados pela chegada dos portugueses.
 
''Histórias da Gente Brasileira'' é uma produção da Giros viabilizada pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). A série também pode ser assistida no CurtaOn – Clube de Documentários, streaming disponível no Prime Video Channels — da Amazon —, na Claro TV+ e no site oficial da plataforma. A estreia no Curta! é no dia temático Sexta de História e Sociedade, 23 de janeiro, às 23h30.
 
Relação entre memória e oralidade é discutida em novo episódio de ''A Persistência da Memória''
 
No quinto episódio da série ''A Persistência da Memória'', inédita e exclusiva do Curta!, especialistas de diferentes áreas analisam memória e oralidade sob diversos pontos de vista. Como ponto de partida, a importância da transmissão oral de religiões, culturas, lendas, ensinamentos, lembranças e histórias de pessoas e famílias.
 
O historiador Luiz Antônio Simas e o escritor Paulo Lins (de “Cidade de Deus”, 1997; “Desde que o Samba é Samba”, 2012), por exemplo, defendem que a tradição oral das religiões de matriz africana pode servir de fonte para se estudar a história do Rio de Janeiro. A série debate, ainda, o papel da memória em manifestações culturais focadas na oralidade - como o caso dos repentistas e da prática do improviso – e a potência da memória como geradora de reflexão, ideia defendida pelo filósofo e líder indígena Ailton Krenak.
 
Krenak ressalta outro ponto a ser discutido: memórias apagadas ou perdidas com os idiomas extintos de etnias indígenas dizimadas e toda a cultura e visões de mundo que também se vão. Em seguida, a produção apresenta os trabalhos focados na memória oral, como a rádio virtual Yandê — que busca praticar a “etnomídia”, dando espaço para a troca de memórias orais indígenas, muitas delas em suas línguas originais — e do Museu da Pessoa, que registra e legitima histórias de gente comum, sobretudo de indivíduos cujas trajetórias de vida não entram na historiografia oficial.
 
Dirigida por Paola Vieira, a partir de argumento de Bráulio Tavares, a série conta com 13 episódios. Além de “Memória e Oralidade”, os outros capítulos discutem os seguintes temas: “As Primeiras Memórias”; “O Funcionamento da Memória”; “Memórias e Traumas”, “Memória e Imaginação”; “Memória e Oralidade”; “Memória dos Saberes e Fazeres”; “Memórias das Artes Visuais”; “Memória e História”; “Memórias Oficiais”; “Memórias Audiovisuais”; “Memórias Digitais”; “Os Apagamentos de Memória” e “O Labirinto da Memória”.

“A Persistência da Memória” é uma produção da Luni Áudio e Vídeo viabilizada pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). A série também pode ser assistida no CurtaOn – Clube de Documentários, streaming disponível no Prime Video Channels — da Amazon —, na Claro TV+ e no site oficial da plataforma. A estreia do episódio no Curta! é no dia temático Quintas do Pensamento, 22 de fevereiro, às 23h30.

Segundas da Música – 19/02

22h30 – ''Com a Palavra, Arnaldo Antunes'' (Documentário)

Um documentário autobiográfico sobre o papel que a palavra, a música e a imagem ocupam na obra de Arnaldo Antunes. De sua origem como poeta ao sucesso como cantor e compositor, o artista revisita os momentos mais marcantes de sua carreira. Duração: 80 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 20 de fevereiro, terça-feira, às 02h30 e 16h30; 21 de fevereiro, quarta-feira, às 10h30; 24 de fevereiro, sábado, às 16h; 25 de fevereiro, domingo, 22h30.

Terças das Artes – 20/02

22h – ''A Última Vanguarda'' (Documentário)

Nos anos 50 e 60, a cidade de Salvador passava por uma série de transformações que marcariam sua história cultural e a de todo o país. O motor principal foram as experiências ocorridas na UFBA, a partir dos investimentos culturais do reitor Edgard Santos que, somados à cultura boêmia e à vanguarda intelectual europeia, geraram uma nova leva de intelectuais e criadores cujas obras permanecem até hoje instigantes e inovadoras. Direção: Peu Lima. Duração: 100 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 21 de fevereiro, quarta-feira, às 2h e às 16h; 22 de fevereiro, quinta-feira, às 10h; 24 de fevereiro, sábado, às 14h10; 25 de fevereiro, domingo, às 20h35.

Quartas de Cena e Cinema – 21/02

21h30 – ''Na Ilha'' (Documentário)

“Na Ilha” é um documentário imersivo no processo de montagem de filmes. Vinte montadores do cinema brasileiro expõem as nuances dessa arte, seus segredos e processos. Com o cinema digital, muitos trabalham em suas casas ou escritórios, locais onde os filmes ganham sua forma final e suas narrativas são construídas. Tudo pode mudar até o último minuto. O documentário mostra as escolhas e os métodos desses montadores e faz um panorama do cinema brasileiro. Diretor: Julia Bernstein e Vinícius Nascimento. Duração: 75min. Classificação: 12 anos. Horários alternativos: 22 de fevereiro, quinta-feira, às 1h30 e 15h30; 23 de fevereiro, sexta-feira, às 09h30.

Quintas do Pensamento – 22/02

23h30 – ''A Persistência da Memória'' (Série) – Ep.: ''Memória e Oralidade'' – INÉDITO

Cultura oral como fonte primordial de aquisição de conhecimento e de memória. A memória oral vs. a escrita. A memória ancestral. As línguas perdidas. O registro e a preservação de histórias orais. A oralidade da palavra como base da literatura. Repentistas, cantadores. Casos de registros de memórias orais: Radio Yandê e Museu da Pessoa. Direção: Paola Vieira. Duração: 26 min. Classificação: A Livre. Horários alternativos: 23 de fevereiro, sexta-feira, às 3h30 e às 17h30; 24 de fevereiro, sábado, às 20h30; 25 de fevereiro, domingo, às 12h.

Sextas de História e Sociedade – 23/02

23h30 – ''Histórias da Gente Brasileira'' (Série) – Episódio: ''Colônia – Sobrevivência'' - INÉDITO

A ideia do Brasil primitivo como um paraíso, “terra onde tudo o que se planta, dá”, é controversa. No primeiro século da colonização, já havia quem dissesse que o país não servia para colônia porque era “quente como vulcão e doentio”. Mergulharemos nos comportamentos e dinâmicas dos primórdios do período colonial, revelando seus constantes perigos. Direção: Beca Furtado. Duração: 26 min. Classificação: A Livre. Horários alternativos: 24 de fevereiro, sábado, às 03h30 e às 11h; 25 de fevereiro, domingo, às 18h; 26 de fevereiro, segunda-feira, 17h30; 27 de fevereiro, terça-feira, às 11h30.

Sábado – 24/02

22h – ''Paulo César Pinheiro – Letra e Alma''

Poeta, escritor, compositor e referência incontestável da rica produção cultural brasileira, Paulo César Pinheiro fala sobre suas origens, referências literárias, seu encontro com a poesia e o que lhe deu "régua e compasso". Autor de vasta e rica produção, entre músicas, livros, peças teatrais e de parcerias memoráveis, que já atravessam cinco gerações, o poeta não dá sinais de que a genial inspiração possa se esgotar. Duração: 85min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 25 de fevereiro, domingo, às 16h10;

Domingo – 25/02

19h30 – ''O Filme Perdido de Nuremberg'' (Documentário)

O diretor Jean-Christophe Klotz sai em busca do filme “Nuremberg: Uma Lição Para o Mundo de Hoje”, registro histórico do julgamento de Nuremberg feito pelos irmãos Schulberg. Ele foi retirado de circulação nos Estados Unidos no pós-guerra, por razões geopolíticas, e desapareceu. Klotz conta a história por trás daquele filme e narra o incrível trabalho de busca por evidências dos crimes nazistas levado a cabo por Budd e Stuart Schulberg na Alemanha devastada pela guerra. As evidências encontradas pelos dois foram exibidas no Tribunal de Nuremberg e foram decisivas para a condenação dos criminosos. Foi a primeira vez que uma tela de cinema foi usada num tribunal. Diretora: Jean-Christophe Klotz. Duração: 94 min. Classificação : A 16 anos. Horários alternativos: 26 de fevereiro, segunda-feira, às 15h; 27 de fevereiro, terça-feira, às 09h.

O Universo da TV

O Universo da TV é o site perfeito para quem quer ficar por dentro das últimas novidades da TV. Aqui, você encontra notícias sobre TV paga, programação de TV, plataformas de streaming e muito mais. É o único site que oferece uma cobertura completa da TV, para que você nunca perca nada. facebook instagram twitter youtube

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato