No Traz a Pipoca, podcast do Telecine, Gabriela Loran destaca a importância de temáticas queer no audiovisual

Daniel Ribeiro e Gabriela Loran na gravação do 'Traz a Pipoca'.
Foto: José Bismarck/Telecine/divulgação

No mês em que se comemora o orgulho LGBTQIAPN+, o Telecine convida para o podcast Traz a Pipoca a atriz Gabriela Loran ('Renascer', 'Arcanjo Renegado') e o diretor Daniel Ribeiro (‘Hoje Eu Quero Voltar Sozinho’). Eles conversaram com a apresentadora Bruna Scot sobre seus novos projetos, compartilharam experiências profissionais e vivências pessoais e discutiram a importância de dar visibilidade a histórias e temáticas queer no audiovisual. O episódio estreia no dia 13 de junho, quinta-feira. 

Gabriela Loran, atriz trans que vem marcando presença em produções de grande sucesso como ‘Arcanjo Renegado’ e ‘O Último Animal’, destacou que personagens LGBTQIAPN+ vêm ganhando cada vez mais espaço em séries e filmes ao redor do mundo. Mas ainda há muito a ser conquistado: “É preciso colocar esses personagens em papéis de protagonismo”, ressaltou.

Prestes a voltar aos cinemas com ‘13 Sentimentos’, filme que escreveu e dirigiu, Daniel Ribeiro contou um pouco sobre o processo de criação por trás da obra. O longa, livremente inspirado em vivências próprias, estreia no dia 13 de junho nos cinemas. A história acompanha João, romântico cineasta que adentra uma busca por novas relações e pelo autoconhecimento após o término de um relacionamento de dez anos. Ribeiro, que também dirigiu o renomado filme de romance ‘Hoje Eu Quero Voltar Sozinho’, conversou com Gabriela sobre a presença de histórias gays e trans em narrativas audiovisuais contemporâneas. 

Sobre possibilidades de novos personagens, Gabriela Loran concordou que já está mais do que na hora de artistas da comunidade LGBTQIAPN+ receberem papéis diversificados e multifacetados. “Eu estou muito cansada de trabalhar em cima de estereótipos. Eu quero viver todos os tipos de personagens e entender as complexidades que eles têm”. A atriz, que em ‘Renascer’ interpreta a personagem Maitê, contou que foi a primeira vez em uma novela que um núcleo de amigos com personagens transexuais foi ilustrado compartilhando carinho e parceria. “Isso é muito importante, porque mostra a gente nesse lugar do afeto, felicidade e troca.”

Os dois apontaram que a representatividade é um processo que também deve acontecer por trás das câmeras. Ao empregar cineastas e profissionais de diferentes sexualidades e expressões de gênero, é possível tecer narrativas mais convincentes e honestas. “É sobre acolhimento e pertencimento: quando os realizadores têm essa vivência, entregam efetivamente o que eles têm a partir do que viveram.” disse a atriz, ao conversar com Ribeiro sobre a maior diversidade das equipes de hoje em dia. “Meu objetivo sempre foi ser um espelho, para que os jovens LGBTs pudessem se ver representados”, afirmou o diretor ao falar sobre a visibilidade que o cinema pode proporcionar. 

Anderson Ramos

O Universo da TV é o site perfeito para quem quer ficar por dentro das últimas novidades da TV. Aqui, você encontra notícias sobre TV paga, programação de TV, plataformas de streaming e muito mais. É o único site que oferece uma cobertura completa da TV, para que você nunca perca nada. facebook instagram twitter youtube

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato