BIS estreia a segunda temporada de "Versões" em agosto



Uma nova leva de artistas brasileiros está pronta para apresentar releituras inéditas de sucessos de grandes nomes da música na segunda temporada de “Versões”, do Canal BIS, que estreia no dia 3 de agosto, às 20h. 

Com produção do próprio canal, direção de Pedro Secchin e apresentação de Dedé Teicher, a nova temporada do programa traz Tiago Iorc cantando Coldplay, Filipe Catto homenageando Cassia Eller, a banda Suricato dedicando um episódio só aos clássicos do sertanejo, Luiza Possi interpretando Michael Jackson, Tiago Abravanel cantando Cazuza, a banda Dônica tocando Beatles, Flávio Renegado homenageando Jorge Ben Jor, entre outros. A temporada conta com dez episódios semanais, um por semana, cada um direcionado a um artista diferente.

Segundo Pedro Secchin, nesta segunda temporada a ideia do artista convidado homenagear outro do qual é fã e admira se mantem como na primeira. A diferença, ele destaca, está no amadurecimento.
“Na primeira temporada, nós estávamos testando muitas coisas, entendendo como seria esse programa. O ‘Versões’ deixou de ser um programa de covers para se tornar um espaço em que o artista pode mostrar um outro lado seu. Estamos trabalhando também com novos convidados e homenageados. Acredito que a novidade mesmo está no amadurecimento”.

Na estreia, Tiago Iorc interpreta Coldplay no estilo “voz e violão”. No repertório escolhido pelo próprio cantor, estão os sucessos "Yellow", "Magic", "Viva La Vida", "The Scientist", “Fix You” entre outros.

“É muito diferente cantar uma música que não foi pensada para ser sua. É sair da sua zona de conforto e se encontrar nesta nova música. Ao mesmo tempo é muito a minha zona de conforto o estilo “voz e violão”, que eu escolhi. Ficar neste diálogo, nesta simplicidade da música. Para mim foi um prato cheio para me divertir”, conta.

Pedro Secchin revela os desafios de se produzir um programa nos moldes do ‘Versões’, com um show a cada episódio, e também o orgulho de ver a atração conquistar mais uma temporada.

“É um projeto que me faz muito feliz. É uma energia que flui para todos os lados. Tanto pelo lado do artista, que vai escolher um outro artista que ele admira e vai criar a versão dele em cima daquilo, quanto para a gente, enquanto direção e produção, que planeja cenário, quantas pessoas vem, o tamanho da banda, etc. Entender como é que isso vai ficar é um desafio e você só tem a resposta na hora em que chega aqui no estúdio para gravar, por isso precisa de uma energia e sintonia muito grande da equipe”, finaliza.

Nenhum comentário:

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Tecnologia do Blogger.