Pedro Bial entrevista Betty Faria em seu programa no GNT


Betty Faria é a convidada da semana. (Divulgação)
Betty Faria é a convidada do “Programa com Bial” deste domingo (16 de outubro), às 20h, no GNT. Após 50 anos de carreira, a atriz relembra os papéis de destaque na televisão, cita alguns personagens que ela não gostou de interpretar, entre eles, Viúva Porcina da novela Roque Santeiro, quando gravou a versão censurada da novela em 1975. A atriz fala ainda da polêmica gerada em torno das suas fotos de biquíni, revela os desafios que enfrentou ao descobrir uma doença autoimune que levou a interromper o trabalho, entre outras revelações.

A atriz conta que a personagem “Tieta”, da novela homônima, foi um dos maiores presentes da carreira: “Ela foi prostituta, mas chegou para fazer o bem, ajudar as pessoas, a mensagem que ela deu foi inovadora. Quem me deu (o papel) foi Zélia Amado. Ela disse que Jorge estava escrevendo um livro e, daqui alguns anos, o personagem principal ia ser perfeito para eu fazer”, relembra a atriz.

Sobre a polêmica em torno da publicação de fotos dela de biquíni, aos 71 anos, ela explica:  “Estava buscando uma eterna Tieta gostosona. Fui à praia dar um mergulho, peguei uma onda de peito e cheguei na areia puxando o sutiã. Tinha um paparazzo e fez a foto. ” Betty acredita que existe um tabu em relação à velhice e isso explica a reação do público não apenas com suas fotos, mas com outras situações, como o beijo das personagens interpretadas por Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg na novela Babilônia. “Eu acho que não foi só pelo beijo foi também pela idade das personagens. Tem uma coisa estética. Se fossem duas gatas lindas, os homens iam morrer de tesão.”, afirma.

Ao relembrar a época de militante, Betty admite que usou drogas, mas a família era prioridade. “Experimentei o LSD, mas já tinha uma filha para criar. Tive experiências, mas sempre honrei o papel de mãe”. Em algumas das tantas revelações durante a entrevista, a atriz diz que na sua opinião maconha não é droga.  “Não tem efeito nenhum, acho uma mentira dizer que mexe com a memória. Fumei muita maconha e nunca tive problema. Minhas amigas que tomam remédio para dormir, esquecem o texto na hora de gravar” conta.

Betty luta contra a artrite reumatoide, uma doença autoimune e sem cura. A atriz acredita que o tempo fora da TV Globo influenciou na saúde dela. “Foi uma fase muito difícil, não deixei ninguém saber e isso gerou essa doença. Quando eu saí, achei que fosse enlouquecer. Foi tão violento, porque eu trabalhava todo o tempo e, de repente, eu não trabalhava mais”, revela.

Nenhum comentário:

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Tecnologia do Blogger.