Home Top Ad

Programa Especial celebra o Dia das Crianças com pautas temáticas

Share:

Divulgação TV Brasil
O Programa Especial comemora o Dia das Crianças neste sábado (12), às 12h30, na TV Brasil, com uma visita ao projeto Canta e Lê que usa vídeos com músicas infantis em baixa rotação para estimular a fala e a escrita de crianças com deficiência.

Outro destaque da oitava edição inédita da temporada é a dublagem da série Pablo, produção inglesa em live-action e desenho animado. O conteúdo, que estreou este ano na TV Brasil, conta as aventuras de um menino de 5 anos que está dentro do espectro do autismo e foi todo dublado por pessoas que também são autistas.

O projeto Canta e Lê surgiu a partir da vivência de Patricia Almeida com a filha Amanda, que tem síndrome de Down. A iniciativa foi concretizada pela designer Carol Rivello, mãe da Alice, que, assim como a Amanda, tem síndrome de Down.

Patricia teve a ideia ao observar a filha, que sempre gostou muito de música. Ela notou que Amanda olhava para a boca da mãe quando queria cantar para observar como a mãe falava.

"A gente pega as musiquinhas infantis e faz mais devagar, como se estivessem com a rotação mais baixa, e, ao mesmo tempo, legenda para a criança ir lendo ao mesmo tempo que canta", explica Patricia.

Já o seriado Pablo surgiu no Reino Unido, em 2017, e estreou na programação da TV Brasil em abril deste ano. O Programa Especial entrevista alguns dos dubladores da produção que contaram suas experiências.

A equipe do programa conversa com o menino Eduardo Polito que dublou o protagonista Pablo e a jovem Larissa Coelho que interpretou dois personagens, a passarinha Ren e a Lhama. Eles contaram suas experiências. 

Eduardo recorda as orientações que recebeu do diretor. "Ele me deu um montão de dicas, de como fazer dublagem, como a gente vai fazer o tom da voz, e o momento que a outra voz sai", lembra.

Já Larissa disse que se identificou com algumas situações retratadas na série. "Eu me reconheci nas histórias de alguns episódios. Quando tem sons altos e tudo mais, eu tapo os ouvidos como os personagens. Nenhum deles gosta muito de sons altos, principalmente a Ratinha", destaca.