Home Top Ad

Série inédita sobre economia global "Made on Earth" (Feito da Terra)” é destaque no site da BBC News Brasil

Share:

Divulgação BBC
Já estão no ar pelo site da BBC News Brasil (www.bbc.com/portuguese), todos os oito programas da série inédita Made on Earth (Feito da Terra) com legendas em português. Formada por episódios de 25 minutos cada, a série leva o público para uma viagem em uma jornada ao redor do mundo para descobrir o quanto o comércio de bens e consumo depende da conectividade global.  Os apresentadores Babita Sharma e Finn Aberdein  gravaram entrevistas no Brasil, China, Itália, Estados Unidos, Inglaterra, Escócia, Índia e Quênia- para apresentar visões sobre negócios que seguem crescendo.

Com o objetivo de revelar mudanças internacionais e tendências das indústrias, a BBC News, serviço de notícias da BBC numa parceria com a FedEx Express, uma das principais redes de logística global, produziu a série de reportagens especiais Made on Earth (Feito da Terra), que mostram pequenos e médios negócios operando globalmente com exportações de café, especiarias, papel, flores, uísque, bolsas, bicicletas e semicondutores (microchips).

Confira as sinopses dos episódios

Episódio 1: Café

Segundo dados do programa, mais de dois bilhões de xícaras de café são consumidas diariamente. A equipe da BBC viajou pelo Brasil para mostrar a participação do país no milionário mercado internacional do café, a segunda commodity mais vendida mundialmente. Made on Earth segue o café brasileiro para sua torrefação na Itália até a venda na China. Finn Aberdein viaja para a Seesaw Coffee, em Shanghai, para ver como jovens consumidores estão observando o ‘speciality coffee’ que os permite experimentar um novo tipo de drinque. Babita Sharma visita Leonardo Lelli - um torrador de café italiano que mostra a ela como, pra ele, preparar grãos de café é mais uma arte do que um processo industrial. 

Episódio 2: Papel

Esse programa observa o comércio mundial de papel, que, apesar da era digital, está prosperando. Um dos mais velhos produtos, papel foi inicialmente inventado pelos chineses - Babita Sharma visita a Frogmore Paper Mill, uma das mais antigas fábricas de papel no Reino Unido, para ver que muitos das velhas técnicas chinesas estão ainda sendo usadas hoje em dia. A indústria do papel está se adaptando, já que consumidores estão se tornando mais conscientes ambientalmente - na Itália mudanças na legislação a tornaram uma líder mundial em produção de papel reciclado. Finalmente Finn Aberdein viaja para a Escócia para ver como companhias, como a Smith Anderson, se adaptaram para se especializar em papel reciclável como uma alternativa aos plásticos descartáveis.

Episódio 3: Flores

Esse programa segue o crescente mercado global para flores. Todo ano mais de 8 bilhões em flores são colhidas, empacotadas e enviadas ao redor do mundo para exposição. Essa indústria tem sido historicamente dominada por companhias européias, mas agora isso está mudando: Finn Aberdein   visita a Tambuzi Flower Farm no Quénia para ver como eles cultivam, organizam e preparam belas florações para transporte ao redor do mundo. Algumas vão direto ao seu destino enquanto outras terminam no imenso Royal Floral Holland Flower Market - o centro global de comércio de flores, que processa mais de 20 milhões de flores todos os dias. Babita Sharma passa um tempo arranjando flores com o florista das estrelas Simon Lycett, para ver porque clientes demandam flores da melhor qualidade para o seu dia especial.

Episódio 4: Temperos

Esse programa examina uma das mais antigas redes de comércio: a de temperos. Hoje a indústria mundial de temperos é de US$ 15 bilhões de dólares, movida pelo apetite por cozinhas do mundo inteiro. Babita Sharma visita o restaurante Aroqa, em Nova Yorque, onde o chef coloca grande ênfase em especificar a origem dos seus temperos direto da sua fonte nativa: a Índia. Na Índia, Finn Aberdein  acompanha uma fazenda de temperos em ação em Kerala, antes de ver como acontece o processamento na Synthite, uma das maiores processadoras de temperos do mundo. Outro destaque é como pessoas globalmente estão agora usando temperos não somente na cozinha mas pelos suas propriedades relacionadas a saúde.

Episódio 5: Bolsas

A reportagem da BBC News esteve na Itália, China, Holanda e Inglaterra para mostrar a história das bolsas. No Museum of Bags & Purses, em Amsterdan, na Holanda, Babita Sharma aprende como foi a migração das bolsas, usadas há séculos por homens, para as mãos femininas no final do século XVIII. Finn Aberdein viaja para a cidade de Yiwu, na China, onde está o maior mercado de atacado do país, no qual 8 milhões de produtos são comercializados, incluindo uma área exclusiva de bolsas com 1.500 lojas. Lá, o preço médio de uma bolsa é US$43 dólares. Na China há 14 anos, o inglês Nigel Crop compra mais de 250 mil bolsas em Yiwu para exportar para mercados populares ao redor do mundo.

US$ 300 dólares é o preço médio de uma bolsa de grife italiana, desenvolvida por mãos hábeis como o mestre Umberto Rinaudo, cuja família trabalha com a confecção de bolsas há quatro gerações. Na reportagem de Babita Sharma, ele mostra também sua valiosa contribuição  ao trabalho da jovem designer de bolsas Giorgia Gaeta, de 33 anos. Os fabricantes preveem que o mercado de bolsas com preços menores, como as vendidas na China, alcançará perto de US$20 milhões de dólares em 2025 enquanto que o mercado de bolsas de luxo faturou, já em 2018, mais de US$30 milhões de dólares, explica o programa. Em Londres, mulheres revelam sua opção por bolsas de luxo, independente do preço.

Episódio 6: Uisque

Esse programa investiga o extraordinário sucesso do uisque, uma bebida de séculos  a criar novos mercados ao redor do mundo. Uma marca que está indo particularmente bem é Scotch. Finn Aberdein   viaja para Shanghai, na China, onde mais de 100 novos ‘Whisky Bars’ abriram desde 2016, para ver porque o whisky se prova popular entre jovens consumidores chineses. E depois ele viaja para o local de nascimento do scotch, para experienciar o antigo processo que dá a ele o seu sabor único.

Episódio 7: Bicicletas

O episódio mostra como, em Londres e Taiwan, segue a produção e exportação de bicicletas, numa indústria que movimenta 45 bilhões de dólares. Foi na Inglaterra que as bicicletas se popularizaram, a partir de 1885, e, por 100 anos, o país foi sede dos maiores fabricantes mundiais. Babita Sharma visita a Brompton Bike, em Londres, que comercializa 45 mil bicicletas por ano, com peças que chegam de todo mundo.  O CEO da Brompton, Will Butler-Adams, aposta nas bicicletas elétricas. Ele explica que elas permitem que o ciclista percorra uma distância 40% maior sem esforço.

Finn Aberdein visita Mumbai, na Índia, para conhecer Firoza Suresh,  que tem encorajado pessoas a se tornarem saudáveis e a reduzir a poluição por meio do uso de bicicletas. Desde 2014, ela organiza um evento mensal para difundir esta ideia. Como em toda a China, Taiwan também é conhecida pelo fluxo intenso de bicicletas pelas ruas. Mas a ilha atualmente também é responsável por produções de peças para todo mundo, o que rende anualmente US$ 2,5 bilhões de dólares em exportações. A marca de bicicletas FSA (Full Speed Ahead), por exemplo, produz todas suas peças na China, mas é a partir da Itália que o ex-ciclista profissional Maurizio Bellin, Gerente geral da unidade europeia, comanda as vendas.

Episódio 8: Semicondutores

De produtores rurais na África até os jovens superconetados nos Estados Unidos, Europa e Ásia, o programa faz um retrato da importância dos semicondutores (microchips) que estão dentro dos aparelhos eletrônicos. Segundo números divulgados no episódio, os microchips são fundamentais para a economia mundial de produtos de tecnologia, estimada em 3 trilhões de dólares, e a fabricação de microchips atinge vendas globais de quase quinhentos bilhões de dólares ao ano.

Douglas Ungela, produtor rural do interior do Quênia, afirma a Finn Aberdein  que, graças à internet no smartphone, consegue entrar em contato com os compradores de sua produção de milho e batatas e ainda saber o preço destes alimentos no mercado internacional. Babita Sharma mostra o interior de uma fábrica produtora de semicondutores. Com um enorme mercado consumidor e produzindo apenas 30% dos microchips consumidos no país, a China também está investindo pesado para desenvolver suas fábricas de semicondutores.