Home Top Ad

Doc narrado por Fernanda Torres revê protestos de 2013 e suas repercussões

Share:

Divulgação Curta!
Para Francisco Bosco e Raul Mourão, o mês de junho de 2013 ainda continua ecoando na vida política brasileira. Exatos sete anos depois da efervescência daqueles dias e corroborando essa tese, o documentário “O Mês Que Não Terminou”, assinado pela dupla, estreia na TV. Após participar de diversos festivais de cinema, o longa ganha exibição no Curta!.

O filme comenta os desdobramentos de dois movimentos internacionais de 2011, o “Occupy Wall St”, em Nova York, e “Os Indignados”, em Madrid, fazendo uma ligação entre essas ações e as manifestações que ocorreram no Brasil durante junho de 2013. Segundo os diretores, essa agitação desembocou nos protestos a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2014. E também foi motor de propulsão da Operação Lava Jato e da ascensão da extrema direita no Brasil.

Para ajudar na reflexão sobre o período, os diretores convidaram ativistas, cientistas políticos, filósofos, psicanalistas e economistas, cujos relatos se costuram ao roteiro do ensaísta Francisco Bosco. A narração é de Fernanda Torres. “O Mês Que Não Terminou” é uma produção da Kromaki, viabilizada através do Fundo Setorial do Audiovisual pelo canal Curta!. A estreia é na Sexta da Sociedade, 19 de junho, às 22h.

Intolerância religiosa contra os rituais por trás do acarajé baiano é exposta em novo longa

Feito com feijão, camarão e dendê, o acarajé chegou ao Brasil como um prato místico trazido pelos africanos e ofertado em ritual religioso ao orixá Iansã, rainha dos raios, ventos e tempestades. No entanto, há alguns anos, existe um conflito entre os que desejam desvincular a feitura do acarajé de rituais afro-brasileiros e os que zelam por essas tradições. Pelas mãos do primeiro grupo, o acarajé vem sofrendo uma série de adaptações e se distanciando de seu significado original. Essa realidade é mostrada no documentário “Àkàrà, no Fogo da Intolerância”, que estreia no Curta!.

O longa, dirigido por Claudia Chávez, traz histórias de baianas de acarajé e depoimentos de personalidades sobre a intolerância praticada contra as religiões de matriz africana. O filme é uma produção da Obá Cacauê, viabilizada pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).  A estreia é na Terça das Artes, 16 de junho, às 18h.


Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.