Home Top Ad

Tony Ramos e os 70 anos da televisão brasileira no 'Conversa com Bial' desta sexta

Share:

Divulgação Globo

Em mais uma entrevista da série de programas em homenagem aos 70 anos da televisão brasileira, Pedro Bial conversa com um dos atores mais respeitados do país. Nesta sexta-feira, dia 23, Tony Ramos participa do 'Conversa com Bial', relembrando momentos marcantes de seus mais de 56 anos de carreira e os 140 personagens interpretados, além de suas memórias sobre grandes obras do entretenimento nacional. 
 
É quase impossível falar dos 70 anos da televisão brasileira sem Tony Ramos. O ator, protagonista de obras no teatro, na televisão e no cinema, é quase um embaixador da cultura e da arte de fazer entretenimento no Brasil, principalmente novelas. No programa, ele, que sempre soube que queria ser ator, fala sobre o seu início na televisão, com apenas 15 anos, e como entrou em contato com o mundo do espetáculo. Nesta época, Tony Ramos, que era fã do gênero comédia e voltava para casa imitando o personagem Oscarito, conta que assistia à televisão na casa de vizinhos, até a chegada do aparelho em sua residência: “Ela passou a ocupar um lugar mágico. E eu gostava de assistir a filmes de terror ou teatro de terror, que havia aos sábados”.  Ele também fala com carinho de sua vó, dona Dodô. 
  
Com cerca de 140 personagens em seu currículo, Tony Ramos deixa claro no programa a dificuldade de eleger apenas algumas de suas vidas interpretadas. Junto a Pedro Bial, no entanto, ele fala com carinho de alguns de seus icônicos personagens como Rubinho de ‘Nino, o Italianinho’, Gustavo em ‘Antônio Maria’, Juca de ‘A Próxima Vítima’, os gêmeos João Victor e Quinzinho de ‘Baila Comigo’, o grego Nikos de ‘Belíssima’, e o italiano Totó de ‘Passione’.   
 
Na entrevista, o convidado também assiste a trechos de algumas novelas e se emociona ao revisitar as emoções de ‘Mulheres Apaixonadas’, na famosa cena do tiroteio, que marcou a morte da personagem Fernanda, interpretada por Vanessa Gerbelli. Comovido, Tony Ramos relata a Pedro Bial os bastidores das filmagens, feitas ao ar livre e que, segundo o entrevistado, terminou ao som dos aplausos do público que acompanhou a gravação: “Era como o palco aberto de um teatro grego”. E ainda: “Nós ficamos impactados com aquilo. A Vanessa Gerbelli, eu e toda a equipe. Aquilo foi lindo, aquilo foi a manifestação da cumplicidade de um povo com a telenovela brasileira. Aquilo para mim é definitivo.”
 
Ainda no programa, Tony Ramos comenta sobre o personagem Riobaldo Tatarana em ‘Grande Sertão: Veredas’, como um “marco divisório” de sua carreira, e fala sobre a fama de galã, garantindo estar confortável com a passagem do tempo: "Eu adoro cada idade minha, Pedro. Eu acho que essa passagem minha, até chegar à idade que tenho, é uma passagem feita com ciência, com alegria". Ele também confessa a Pedro Bial o tipo de personagem que ainda sonha interpretar: “Eu gostaria de fazer um maestro (...) Queria uma personagem que falasse da música erudita e da beleza que ela é. Um ser humano que, por acaso, é um maestro.”  
 
Com direção artística de Mônica Almeida, o ‘Conversa com Bial’ vai ao ar de segunda a sexta-feira, após o 'Jornal da Globo'.   


Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.