Programa Recordar é TV reverencia a escrita de Rachel de Queiroz

Divulgação

Em homenagem à escritora Rachel de Queiroz (1910-2003), o programa Recordar é TV deste sábado (7), às 21h, na TV Brasil, apresenta registros históricos da saudosa romancista em duas produções preservadas no acervo da TV Educativa do Rio de Janeiro.

O primeiro bloco mostra uma reportagem conduzida pelo jornalista Araken Távora na casa da escritora, em 1978, no programa Os Mágicos. Já a segunda parte do Recordar é TV exibe trechos de uma entrevista feita pela jornalista Hildegard Angel no programa As Pessoas, em 1989.

O conteúdo de arquivo recuperado revela as origens, aspectos da vida pessoal e da carreira da autora cearense. No material selecionado, Rachel de Queiroz fala sobre suas preferências literárias e comenta a amizade com Ariano Suassuna. "Escrever nunca foi uma vocação. Foi uma profissão. Minha paixão mesmo é a vida", disse.

Obras marcantes na literatura nacional

Autora de clássicos como "O Quinze" (1930), "As Três Marias" (1939) e "Memorial de Maria Moura" (1992), Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras (ABL) em 4 de novembro de 1977.

A imortal tem uma produção literária que foi traduzida para diversos idiomas. Alguns de seus livros foram adaptados para outras plataformas como o cinema e a televisão. A série "Memorial de Maria Moura", inspirada em sua obra homônima, foi exibida com sucesso em dezenas de países.

Com uma escrita vigorosa e uma percepção aguda dos acontecimentos cotidianos, a imortal foi uma escritora consagrada. Além de romances, Rachel de Queiroz redigiu peças de teatro e um grande número de crônicas.

Durante cerca de trinta anos, Rachel de Queiroz publicou suas crônicas nas páginas da revista semanal "O Cruzeiro". Com o encerramento do periódico, ela passou a veicular seus textos nos principais jornais do país.

Reconhecimento internacional

Jornalista, cronista, tradutora e contista, Rachel de Queiroz foi agraciada com diversos prêmios durante a trajetória como escritora. Autora de destaque quando o assunto é a ficção social nordestina, ela conquistou diversos prêmios na carreira como o Jabuti de Literatura Infantil com o livro "O menino mágico" (1969). Ela também foi a primeira mulher a ser agraciada 2m 1993 com o Prêmio Camões, maior reconhecimento atribuído a autores em língua portuguesa.

Dentre duas atividades, Rachel de Queiroz traduziu para o português aproximadamente quarenta livros de autores renomados. Nessa seleção, estão personalidades da literatura mundial como Fiódor Dostoiévski, Honoré de Balzac, Agatha Christie e até Júlio Verne.

Em um dos momentos da entrevista para Hildegard Angel na TVE do Rio na década de 1980, a autora admite que dá mais importância à vida pessoal do que à carreira literária. No entanto, declara-se uma escritora disciplinada.

Natural de Fortaleza, Rachel de Queiroz faleceu no Rio de Janeiro aos 92 anos, por causa de problemas cardíacos, em 4 de novembro de 2003, mesmo dia do mês em que foi empossada na ABL, treze dias antes de comemorar mais um aniversário.
Anderson Ramos

Um site sobre TV paga com as principais noticias envolvendo o setor, e suas principais operadoras. Além das novidades dos canais e streamings! facebook twitter instagram

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV. OBS: Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem