Ad Code

Lilia Cabral comenta estreia de 'Páginas da Vida' no Globoplay

Divulgação TV GLOBO/João Miguel Júnior

A partir desta segunda-feira, dia 15, o público poderá voltar a se emocionar com a novela 'Páginas da Vida', que estará disponível no catálogo do Globoplay. Exibida originalmente entre 2006 e 2007 na TV Globo, a obra, de Manoel Carlos, faz parte do projeto de resgate dos clássicos da dramaturgia da plataforma.   
 
Na trama, Nanda (Fernanda Vasconcellos), que mora em Amsterdã, na Holanda, engravida do namorado, Léo (Thiago Rodrigues). Ele não aceita a gravidez e ela, sem escolha, volta ao Brasil. A vida de Nanda se cruza com a de Helena (Regina Duarte) quando Nanda é atropelada e não resiste, mas dá à luz aos bebês Clara (Joana Mocarzel) e Francisco (Gabriel Kaufmann). Com síndrome de Down, Clara é rejeitada pela avó, Marta (Lilia Cabral). Helena se afeiçoa à menina e decide adotá-la. ´Páginas da Vida’ tem direção-geral de Jayme Monjardim e Fabrício Mamberti.   
 
Dando vida à inesquecível vilã Marta, a atriz Lilia Cabral comenta que a personagem foi de suma importância em sua carreira. “Antes, eu fazia personagens leves. Poderia até fazer personagem sofrido, mas nunca tão dúbio, tão visceral, tão frustrado, tão melancólico, patético, irônico. Nunca tinha passado por essa gama de sentimentos que a Marta proporcionava na época. Diante desse personagem tão cheio de nuances, eu me vi com um desafio muito grande pela frente e resolvi encarar. Fui muito feliz nesse trabalho”, afirma. Confira abaixo a entrevista completa com a atriz Lilia Cabral:   
  
Entrevista com Lilia Cabral  
  
Fale um pouco sobre a sua personagem, a Marta.  
Lilia Cabral – Bom, a Marta de ‘Páginas da Vida’ foi uma personagem muito importante na minha carreira. Nunca tinha passado por essa gama de sentimentos que a Marta proporcionava na época, não era muito diferente do que as pessoas poderiam ser na vida real. A Marta poderia até sofrer, mas não mostrava, não demonstrava, não fazia questão nenhuma, porque a frustração dela, a amargura era tão grande, que ela não tinha tempo de ver o que estava acontecendo em sua vida, ou então não tinha tempo de observar e pensar que poderia se tornar uma pessoa melhor. Até então, eu fazia personagens leves. Poderia até fazer personagem sofrido, mas nunca tão dúbio, tão visceral, tão frustrado, tão melancólico, patético, irônico. Diante desse personagem tão cheio de nuances, eu m vi com um desafio muito grande pela frente e resolvi encarar, fui muito feliz nesse trabalho. Com a Marta as pessoas, o público, principalmente, começaram a conhecer uma atriz que eu também comecei a conhecer. Depois, veio a indicação ao Emmy, que foi muito importante na minha vida também. Participar de uma festa tão bonita e uma festa tão significativa, porque você está competindo com os melhores do mundo. Nessa hora, a gente nem pensa se ganha ou se não ganha, o que a gente pensa é que fez um trabalho e que as pessoas, mesmo à distância, lá no Canadá, na China, no Japão, de alguma maneira, acharam que seu trabalho tinha valor. Isso para mim foi muito importante mesmo, para minha carreira e para minha vida.  
   
Que lembranças você guarda das gravações de ‘Páginas da Vida’?  
Lilia Cabral - Eu guardo muitas lembranças boas. Tive parceiros maravilhosos, como o Caruso (Marcos Caruso), como a Fernandinha Vasconcellos, o Max Fercondini. Tive parceiros incríveis, aquelas crianças adoráveis, que viviam dentro da minha casa, o Gabriel Kaufmann, a Clarinha (Joana Mocarzel), que está uma moça linda. Com todos que eu convivi, nós só somamos. Fomos somando a cada dia e o resultado era muito gostoso quando a gente acabava o nosso dia de trabalho. Também tenho lembranças de um elenco positivo, carismático, divertido. A gente trabalhava muito, mas também se divertia.   
   
Há alguma história marcante que possa dividir?  
Lilia Cabral – As histórias marcantes que posso dividir são todas... todos os momentos em que fui surpreendida, os embates com o Caruso (Marcos Caruso), falando texto de um momento tão poético, de lembranças que a Marta falava, lembranças tão especiais na vida e que não adiantaram de nada para a vida dela, só ficaram nas lembranças mesmo. Como era gostoso, também, ficar na sala dos atores lendo os capítulos e torcendo para que todos tivessem bons resultados durante a novela. Então, a gente ia torcendo para um, para outro, era muito legal. Eu tenho muitas lembranças positivas, queridas. Lógico que agora a gente não lembra de tudo, porque passou o tempo, mas quando a gente tem vontade de assistir aquilo que passou, é porque aquilo fez muito bem a gente.  

Postar um comentário

0 Comentários

Ad Code