Caminhos da Reportagem aborda vacinação na estreia da temporada

Divulgação TV Brasil

A TV Brasil estreia a temporada de edições inéditas do programa Caminhos da Reportagem neste domingo (9), às 22h, com o episódio "Vacina, infância protegida". A produção tem transmissão simultânea no YouTube da emissora pública e ainda pode ser acompanhada no app TV Brasil Play.

A atração jornalística revela o impacto da queda da cobertura vacinal no país e mostra porque é preocupante as crianças estarem com as vacinas atrasadas. Para isso, a equipe apresenta histórias de vida emocionantes e entrevista especialistas na área. Também destaca o carismático Zé Gotinha, grande símbolo do Programa Nacional de Imunizações (PNI), que completa 50 anos em 2023.

"Dia 11 de junho é dia de vacina? É, sim senhor. É dia de festa no posto de saúde? É, sim senhor." Esse é o texto de uma campanha estrelada pelo personagem em meados dos anos 1990. Batizado em um concurso que mobilizou milhares de crianças, o Zé Gotinha representa essa figura lúdica. O Brasil, no entanto, registra a pior taxa de cobertura vacinal em 30 anos: três em cada dez crianças estão com as vacinas atrasadas.

O diretor do PNI, Eder Gatti, explica que as taxas de vacinação se consolidaram nos anos 1990. Em 1994, o Brasil recebeu o certificado de zona livre da poliomielite. Desde 2015, porém, "nós começamos a registrar queda de cobertura em diversas vacinas. E isso foi piorando progressivamente até nós chegarmos no ano de 2022 com todas as vacinas com níveis abaixo do desejado", explica o médico infectologista.

A baixa cobertura coloca o país e sobretudo as crianças em risco, uma vez que doenças já erradicadas podem retornar ao território brasileiro. "A partir do momento que você tem muitas crianças sem a imunização, qualquer doença que entrar nesse meio se espalha de maneira explosiva. A gente corre o risco, sim, de voltar a ver surtos de doenças que já tinham sido expulsas do país, por falta de vacinação", alerta o biólogo e divulgador científico, Átila Iamarino.

Em 2019, o Brasil perdeu o certificado de zona livre de sarampo. Naquele ano, a administradora Verônica Neri contraiu a doença. A filha mais nova, então com 7 meses, também foi contaminada e ficou 30 dias na UTI.

A entrevistada conta o drama enfrentado pela família. "Minha filha pegou porque outras pessoas não se vacinaram. E o sarampo voltou. Eu passei. Não perdi a minha filha por isso. Mas, infelizmente, outras pessoas devem ter perdido", lamenta Verônica. Entre 2018 e 2021, 26 crianças perderam a vida para a doença.

 

Razões para a queda da cobertura vacinal

A redução da cobertura vacinal é complexa e envolve uma série de fatores. A pandemia de Covid-19 direcionou os esforços do SUS para o combate da doença; os pais evitaram sair de casa para vacinar os filhos; e a desconfiança lançada sobre as vacinas, bem como o discurso de autoridades, como o ex-presidente Jair Bolsonaro, estimularam o negacionismo.

As 'fake news' e os grupos 'antivax' também entram nessa equação. Para agentes do sistema público de saúde, o importante agora é reconquistar a confiança dos brasileiros. "Ao contrário de outros países, o Brasil nunca teve um percentual importante de população 'antivax'. (...) O Brasil sempre teve uma enorme adesão da nossa população, sobretudo da parte das famílias em relação às vacinas", afirma a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcolmo.

Para essa retomada, municípios como Campina Grande, na Paraíba, e a capital do país, Brasília, investem em levar a vacina de porta em porta. A ideia é retomar o vínculo e a confiança das pessoas. "A gente via que não era necessariamente algo contra a vacina, era simplesmente a dificuldade de acessar essa vacina", esclarece Ramá de Oliveira Cardoso, coordenadora de Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal.

"Se a família ainda não está levando a criança para ser vacinada, a vacina tem que chegar na criança onde ela estiver: famílias ribeirinhas, quilombolas, indígenas. O SUS tem condições de fazer isso. Porque vacina tem", complementa a chefe de Saúde e HIV do Unicef Brasil, Cristina Albuquerque.

Último caso registrado de poliomielite no país, Devison Rodrigues hoje é personal trainer e um grande defensor da vacinação. Ele tinha tomado três das cinco doses contra a doença e sobreviveu sem nenhuma sequela. Sua mãe acredita que o filho é um milagre. Da fé e das vacinas. "Foi uma conquista, né? Agradeço a Deus. Agradeço meus pais. Pretendo ser sempre, no Brasil, o último caso de pólio", finaliza Devison.

Anderson Ramos

O Universo da TV é o site perfeito para quem quer ficar por dentro das últimas novidades da TV. Aqui, você encontra notícias sobre TV paga, programação de TV, plataformas de streaming e muito mais. É o único site que oferece uma cobertura completa da TV, para que você nunca perca nada. facebook instagram twitter youtube

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do O Universo da TV.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato