Header Ads

TV paga foi o único serviço a ter um aumento no número de reclamações na Anatel em Junho


TV paga é o único serviço com aumento no número de reclamações. (Imagem/Reprodução)
As reclamações sobre os serviços de TV paga cresceram 1,9% em junho na Anatel, com mais de 60 mil registros do que os contabilizados em igual mês de 2016. Do total, 49,37 % das queixas se referem a cobranças indevidas. Entre as empresas, a Net/Claro liderou a insatisfação dos usuários, com 18,9 mil reclamações (aumento de 7,2%), seguida da Sky, com 16,3 mil (10,7%) e Vivo, com 2,5 mil (7,3%). A Oi TV foi a única que apresentou queda no número de queixas, conforme dados divulgados nesta terça-feira, 15, pela agência.

Nos demais serviços, a Anatel observou queda nas reclamações, especialmente na telefonia fixa, que teve recuou de 21,9% no número de queixas na comparação com junho do ano anterior. A telefonia móvel teve redução de reclamações na ordem de 15,6%, enquanto a banda larga fixa contou com menos 10,4% de queixas. Ao todo, no mês de junto a agência registrou 276,8 mil reclamações, 14,1% a menos que em 2016.

Motivos

De acordo com a Anatel, reclamações sobre cobrança continuam liderando o total das queixas recebidas em junho nos serviços de telefonia móvel pós-paga (51,93%), TV por assinatura (49,37%) e telefonia fixa (37,29%). O maior conjunto de reclamações na banda larga fixa foi o de qualidade do serviço (46,60%). Na telefonia móvel pré-paga foram queixas relativas a créditos (49,57%).

O segundo lugar no maior conjunto de reclamações foi para a cobrança na banda larga fixa (21,95%), e para a qualidade do serviço na telefonia fixa (23,12%) e na TV por Assinatura (11%). Reclamações relativas a ofertas, como promoções e bônus, foram também o segundo maior grupo de queixas na telefonia móvel pré-paga (15,51%) e pós-paga (10,21%).

Na telefonia móvel pré-paga, reclamações sobre qualidade formaram o terceiro maior conjunto de reclamações (11,66%). Na banda larga fixa foram queixas relativas a instalação ou habilitação do serviço (10,67%). As reclamações relativas às ofertas ocuparam o terceiro lugar na TV por assinatura (9,14%). E na telefonia móvel pós-paga (8,57%) e na telefonia fixa (8,01%) foram queixas relativas a cancelamento.

Prestadoras

Todas as prestadoras de telefonia móvel apresentaram redução no número de reclamações em junho de 2017 quando comparado com o mesmo mês de 2016. A TIM foi a que apresentou a maior diminuição em números absolutos, registrou 43,7 mil reclamações (queda de 2,6%), seguida pela Vivo, com 32,2 mil (redução de 20,4%), Claro, com 29,9 mil (menos 12,9%), Oi, com 16 mil (recuo de 33,4%), e Nextel, com 9,4 mil reclamações (menos 22,1%).

Na telefonia fixa, todos os grupos acompanhados pela agência também apresentaram redução em junho em comparação com o mesmo mês do ano passado: Oi, com 30,7 mil reclamações (de 29,9%), Vivo, com 19,5 mil (14,8%) e NET/Claro, com 7,9 mil (4,2%).

Com 3,3 mil reclamações registradas em junho, somente a Oi apresentou queda de 39,5% no volume registrado pela Agência Nacional de Telecomunicações na TV por Assinatura. Os outros grupos acompanhados pela agência reguladora apresentaram aumento: Net/Claro, com 18,9 mil reclamações (7,2%), Sky, com 16,3 mil (10,7%) e Vivo, com 2,5 mil (7,3%).

Os dados de junho na banda larga fixa em comparação com o mesmo mês do ano passado indicaram redução para as prestadoras Oi, 18,1 mil reclamações (queda de 20,0%); e Vivo, 12,1 mil (de 6,3%). A Net registrou aumento de 8%, totalizando 6,5 mil queixas.

Estados e Distrito Federal

Em junho deste ano, todas as unidades da federação apresentaram redução no volume de reclamações relativas a serviços de telecomunicações quando comparado com o mesmo mês no ano passado. O Estado de São Paulo registrou 86,87 mil queixas (-11,30%), seguido por Rio de Janeiro, com 44,46 mil (-15,70%) e Minas Gerais, com 35,73 mil (21,90%).  Em percentual, as maiores quedas aconteceram em Roraima, Pará e Tocantins, -56,60% (0,14 mil queixas em junho), -40,30% (3,31 mil) e 33,40% (0,45 mil), respectivamente.

Nenhum comentário

Comentários Ofensivos ou Irrelevantes e os que conter publicidades serão todos excluídos.